sexta-feira, 7 de agosto de 2015

UMA ANÁLISE IMPARCIAL SOBRE AVATAR KORRA

Legend of Korra foi uma animação pela qual, não apenas eu, mas a maioria das pessoas não tinham grandiosas expectativas, isto principalmente após o final da primeira e segunda temporadas da série. Mas de alguma forma ela acabou dando muito o que falar.
A terceira temporada é sem dúvidas grandiosa. Seu enredo, personagens, animação, lutas. Tudo perfeito. O que me incentivou a fazer uma postagem apontando algumas particularidades desta animação, especialmente em sua quarta e última temporada, foi a polêmica que surgiu recentemente nas redes sociais (Cacete, preciso ficar longe delas!) com o anúncio da exibição do desenho através do canal do SBT.
Antes de qualquer coisa, deixo claro que gostei do desenho e já fiz até uma postagem totalmente dedicada as suas visões sobre política, que você pode acessar aqui. Aliás, aproveito para agradecer pelas visualizações daquela postagem, foi uma das que eu mais gostei de escrever. Também já adianto que considero Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko, os criadores de Avatar The Last Airbender e The Legend of Korra, duas das pessoas mais talentosas cujo trabalho já conheci. Acontece que muitíssimas coisas foram faladas sobre The Legend of Korra por aqueles que amaram, por aqueles que odiaram, e ainda sobre as declarações de seus próprios criadores. Tudo isso me deixou realmente perplexo.
 
Batman Animated Series
Anos 90 - a era dourada dos desenhos animados.
A franquia Avatar acabou tornando-se uma das melhores animações já produzidas para a TV, sendo comparável aos Gárgulas e à Batman Animated Series, todas da década de 90, e a várias séries de animê. Mas na condição de fã, acho interessante uma análise mais aprofundada com base em muito do que se falou no começo e após o fim desta série.
A nova história desta Avatar se passa no "futuro", encontramos vários dos personagens coadjuvantes, e filhos e netos do elenco original. Fomos capazes de ver o resultado de um mundo "pós-Avatar Aang" e inferimos como o elenco original foi desenvolvido como personagens. Muito interessante para o público já fã da animação anterior. Por exemplo, descobrimos que Aang não foi um pai perfeito, negligenciando seus outros filhos para treinar Tenzin na arte da Dobra do Ar.

Sobre os personagens novos, destaco Varrick. Como eu ODIAVA esse cara! Mas ele inesperadamente acabou transformando-se em um dos melhores personagem do desenho! Ele era idiota, mas misterioso e muito inteligente. Tipo um Tony Stark drogado. Seu desenvolvimento de um industrial da guerra para alguém que tem a verdadeira empatia foi a melhor parte da série para mim.
 
Varrick, você vai odiá-lo da primeira a terceira temporada.
Na quarta temporada ele vai te surpreender.
Zaheer e seu bando são de longe os MELHORES vilões já criados para a franquia de Avatar! Eles eram bandidos, mas não eram impiedosos, apesar de suas tendências anarquistas. Lutavam por algo que consideravam verdadeiro, ao contrário de Amon, e não eram caricaturais como Unalaq, além de que permaneceram fiéis às suas convicções, ao contrário de Kuvira.
Zaheer era um personagem multi-dimensional completo. Ele amava, ele perdeu, e ganhou maior sabedoria. A única pessoa que posso dizer que experimentou o mesmo nível de iluminação espiritual foi o Avatar Aang. E ele entra facilmente na minha lista dos melhores vilões já feitos para um animê.
 
Avatar Wan, o primeiro Avatar que existiu.
O Avatar Wan é a personificação de tudo o que fez esta série tão boa. Ele conseguiu demonstrar mais personalidade e caráter do que todos os quatro arcos de The Legend of Korra combinados. Realmente só me fez querer que fosse produzida uma animação só para este Avatar.
 
Demais essa imagem!
Por outro lado, muitos personagens, e havia realmente muitos, em sua maioria tem papéis muito redundantes. Bumi nunca convenceu sobre sua importância. Bolin teve um momento ou outro. Meelo, um porre aquele moleque peidorrento. Kya parecia legal, mas desapareceu durante a série. Suyin não teve tempo para melhor se desenvolver. Como resultado, você acaba com um monte de personagens desnecessários que recebem pouco ou nenhum desenvolvimento.
Kai era um personagem que parecia ter potencial de ser muito forte para o elenco de apoio, mas os escritores não souberam o que fazer com ele.
 
A Ordem da Lótus Branca
A Ordem da Lótus Branca, por que eles desapareceram? O desenho os configurou para ser o exército privado do Avatar, eles treinaram Korra desde muito jovem, facilitando a sua viagem entre os países e, implicitamente, colaborando  durante eventos sociais e políticos. Caramba, eles também mantêm prisões para os criminosos muito perigosos. Então, por que eles estão tão ausentes durante os eventos das segunda e quarta temporadas quando a vida de Korra está em perigo?

O Mundo Espiritual de The Last Airbender foi fortemente inspirado na terra dos sonhos de Hayao Miyazaki. Já em The Legend of Korra ele está bem distante do seu predecessor.
 
Os vilões e suas ideologias.
Apesar de todos os vilões da série terem potencial para serem memoráveis, desafiando a heroína não apenas em força, mas também a manter-se fiel às suas crenças, Zaheer foi o único que conseguiu se destacar e tornar-se um personagem emblemático.
 
O ritmo desta animação é lento. Você pode literalmente descartar episódios completos deste desenho e o resultado final vai ser o mesmo.
Você poderia dizer o mesmo de The Last Airbender, mas a diferença é que este usou esses episódios para aprofundar mais os seus personagens como um todo.
 
New Team Avatar
Asami, Bolin e Mako. É triste, mas conseguiam ser terrivelmente desinteressantes e meio chatos às vezes. Bolin estava tentando em vão ser um Sokka. Mako estava tentando e falhando miseravelmente em ser um Zuko. E Asami, bom, não fazia falta nenhuma. Aliás, foi Asami quem mais sofreu, porque, ao contrário de Bolin e Mako, ela tinha algum potencial para ser realmente uma boa personagem. Já na primeira temporada, Asami teve o namorado dela roubado por Korra (sua amiga na época), a reputação de sua empresa destruída, e o seu pai jogado na prisão para toda a vida. Eles tinham as bases para uma personagem que poderia ter sido uma igual ou possivelmente até mesmo uma vilã para Korra, e desperdiçaram mais uma vez.

Avatar vs Dark Avatar
Momentos Deus Ex Machina. A primeira temporada terminou com Korra recuperando a dobra através do espírito de Aang. O que faz você se perguntar: se esse é o caso, por que não pode um novo Avatar apenas aprender toda a sua dobra com o anterior? E ainda a jovem Avatar pode reestabelecer o poder de todos que assim como ela tiveram a sua dobra retirada por Amon.
A segunda temporada terminou com Korra perdendo Raava e suas habilidades de Avatar, mas de alguma forma, tornou-se um espírito gigante e foi capaz de derrotar o Dark Avatar, um ser ainda mais poderoso do que ela quando estava no Estado de Avatar.
 
De positivo, as cenas de luta em toda a série foram do mais alto nível. A evolução da tecnologia de The Last Airbender para The Legend of Korra foi ótima.
Realmente foi feito um bom trabalho para ilustrar o contraste entre Korra e Kuvira, o velho contra o novo. Korra, finalmente, começou a usar o seu cérebro e a pensar em maneiras de superar um adversário que não poderia ser derrotado simplesmente com força. A invasão e a luta final dentro do robô gigante foram surpreendentes.
O romance de Varric e Zhu Li, outra coisa que achei que seria uma bomba, na verdade foi bem feito, demonstrando um crescimento real dos personagens, individualmente e como um todo.
A trilha sonora é perfeita, isso é indiscutível.
De negativo, posso citar a cena da morte do pai de Asami. Não deveríamos ficar tristes com a morte dele? Parecia como se o momento tivesse sido forçado para torna-lo um evento triste/redentor, no entanto logo após o senhor Sato ter seu veículo voador esmagado pelo mecha de Kuvira, você tem uma estranha sensação de um "momento Looney Tunes".
O príncipe Wu não se tornou rei, no entanto o seu desenvolvimento como um personagem dependia dele se tornar o governante. Ao longo da última temporada ele estava assumindo mais funções de liderança e tornando-se uma pessoa mais empática. Então vermos o príncipe abandonar o seu legado no final foi estranho.
Depois de Amon, Kuvira foi a maior oportunidade perdida que este desenho teve.
Eu não entendo por que se recusam a dar aos vilões caráteres reais (Com exceção de Zaheer, é claro). Só tivemos duas oportunidades para termos algumas dicas sobre o processo de pensamento de Kuvira. Ambas foram superficiais e uma foi justo ao final da série. Devido a isso, Kuvira sai como um fomentadora de guerras tirânica em vez de uma patriota forçada a tomar decisões difíceis devido à inépcia de todos ao seu redor.
 
Korra e Kuvira
A derrota final de Kuvira literalmente aconteceu em um canteiro de flores no mundo espiritual onde ela e Korra abriram seus corações e conversaram sobre os sentimentos que lhes conduziram nas suas escolhas e nas batalhas. Tá, então eu devo acreditar que esta déspota, A Grande Unificadora, desistiu de tudo depois de compartilhar seus sentimentos?
Agora falo do mais polêmico:

É um problema falar sobre o forçado final de The Legend of Korra quando penso no quanto isso seria notório, mas vamos tentar.

Príncipe Wu
Com relação ao príncipe Wu, provavelmente foi decidido: vamos dar ao governante de um país as mais impróprias características desde Kim Jong-Un, afirmando abertamente o quão incrível é a democracia. Isso não faz sentido, especialmente nos limites desta animação. O único exemplo que tínhamos de uma democracia era o fraco e ineficaz Presidente Raiko, que nada fazia, mas todos queixavam-se dele durante todo o desenho.
Enquanto em The Last Airbender parecia que você estava tendo uma conversa sobre o mundo e os seus diferentes pontos de vista, em The Legend of Korra parecia que você estava sendo repreendido por não compartilhar o ponto de vista de alguém.
 
O próximo ponto é o relacionamento entre Korra e Asami. Ter as duas jovens do nada se tornando um casal não faz sentido, e foi só feito para aplacar um subconjunto específico do público e garantir que as pessoas continuem falando sobre o desenho bem depois dele ter acabado. Forçar estas questões sociais sobre o público foi realmente pura malandragem. Desculpem, mas os romances em Legend of Korra são os mais mal construídos desde "Crepúsculo".
Mako (ele namorou as duas) é um namorado tão ruim que até faz as garotas mudarem de time.
"Eu não tenho nada contra... " - não existe forma pior de se começar um argumento. Mas antes de ir mais longe é preciso deixar isso claro. Eu não odeio e não tenho quaisquer opiniões negativas sobre a comunidade LGBT, no entanto tenho que dizer que o relacionamento de Korra e Asami é o mais forçado que eu já vi, fora o fato de ter uma natureza súbita e ambígua que destaca os problemas com o roteiro perceptíveis durante a animação.
No final, durante a cena em que as duas garotas caminham de mãos dadas em direção ao mundo espiritual, eu sinceramente pensei "opa, elas são apenas amigas, mas que irão surgir piadinhas, irão". Então eu descubro, após ler uma entrevista, uma semana depois que o desenho já havia acabado, que é apenas no final da história que a identidade sexual de Korra é posta em causa, sem a exploração de sua sexualidade e sem quaisquer evidencias ou provas de que ela é lésbica ou bissexual. A razão pela qual os romances em The Last Airbender funcionaram foi porque os escritores nos deram exemplos claros de como alguns destes relacionamentos poderiam ter terminado. Katara e Zuko seria possível dadas as interações que eles tiveram antes.
Durante a animação The Legend of Korra, eu juro que só ouvia críticas negativas sobre os rumos que a série estava tomando. E agora, por causa deste final, todos falam que a animação é a melhor já feita e que "foi capaz de tornar o nosso mundo um lugar melhor". Qualé! Eu não duvido nada que, se o final tivesse sido diferente, as críticas negativas continuariam aí.

 
Korra teve quatro temporadas para mostrar-se uma personagem não apenas profunda e fascinante, mas também aquela que cresce como uma pessoa. Mas não foi bem assim. Ela só ouve os conselhos dos amigos quando estes podem beneficiar a si mesma.
Pior ainda é a forma como ela é reativa às situações. Korra não tenta proativamente mudar o mundo, agindo apenas quando este está a eminencia da destruição. No final, quando ela estava subindo em um feixe de luz com sua nova namorada para um período de férias no mundo espiritual (Eu não sabia que podiam fazer isso por lá), eu fiquei pensando: "Bem que poderiam passar essas férias no Reino da Terra".
 
 
Uma última ponderação:
 
Este é um trecho de uma entrevista com Konietzko, um dos escritores de The Legend of Korra, sobre o envolvimento romântico de Korra e Asami: "Se apareceu do nada para você, eu acho que uma segunda assistida das duas últimas temporadas vai mostrar que talvez você estivesse olhando apenas através de uma lente hétero". Perdão, mas a marca de um escritor ruim é quando eles culpam o público por sua incapacidade de seguir a história quando ele não fornece provas convincentes de apoio para esse enredo. Eu decidi voltar e incluir isso, porque demonstra o quão longe os escritores mudaram suas atitudes em relação ao seu público. Avatar tem sido sempre uma história de empatia e compreensão dos outros, e para ele precisar se explicar desta maneira com os espectadores, temo que tenha falhado lamentavelmente em fornecer ao público quaisquer dos caráteres dessa empatia, e isso é frustrante.
Mas pelo que entendi dessa entrevista, eu acho que eu tenho que voltar ao oftalmologista e pedir algumas lentes homo para os meus óculos para que eu possa entender melhor a sua escrita.
 
 Veredicto final:
 
The Legend of Korra é uma animação ambiciosa. Ela tentou lidar com um monte de problemas graves e adultos e por isso os criadores têm a minha profunda gratidão e respeito. Alguns desenhos animados tem quebrado as fronteiras que The Legend of Korra têm ou até mesmo tentou. No entanto, é como isso foi feito que me deixa um pouco indignado. Uma história forte requer uma protagonista forte, e Korra é tudo menos isso. Korra não é uma personagem que segue o estereótipo, é apresentada como uma mulher independente e de convicções firmes, que é, pelo menos, bissexual só para satisfazer a audiência. Ela não tem caráter real, fora o fato de ser uma inconformista. Isso não seria uma coisa ruim se no desenho ela tivesse seus pontos de vista desafiados da mesma forma vista com Aang em The Last Airbender, mas isso nunca acontece. Korra está sempre certa, independentemente de quão absurdas sejam as suas ações. Ao tomar esta abordagem para contar histórias, os escritores podem ter perdido o que fez Avatar tão especial, a empatia por dificuldades e reflexões.

6 comentários:

  1. Otima resenha! E realmente esses pontos que abordados foi o que prejudicou The Legend of Korra ter um ótimo legado, como o antecessor.

    ResponderExcluir
  2. isso da influencia, mesmo o povo dizendo que não, sim influencia.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. a fraquinha avatar e um universo tao bom quanto o dcau

    ResponderExcluir
  6. nossa esse artigo e tao ridiculo começando pelo titulo uma analise imparcial sendo que qualquer imbecil sabe que qualquer analise e pessoal pois no final de tudo e uma opiniao

    ResponderExcluir