domingo, 19 de abril de 2015

COWBOYS X SAMURAIS E NINJAS


Heróis de dois dos meus favoritos gêneros do cinema de ação estão discretamente retornando às telonas, como foi há alguns com o filme The Warrior's Way, colocando frente a frente os melhores guerreiros do Extremo Oriente e os robustos homens da lei do Velho Oeste.
E uma vez que pelejas como esta são de uma ocorrência muito rara, vamos aqui tentar decidir quem será o melhor, colocando-os uns contra os outros.

1) Os clássicos:

Os Sete Samurais

Obra-prima de Akira Kurosawa, aclamado por suas batalhas épicas, é talvez o primeiro exemplo para qualquer história envolvendo um grupo de mestres guerreiros recrutados para protegerem os injustiçados, traços que você ainda pode encontrar em filmes modernos como Os Mercenários.
Quando uma aldeia no Japão feudal está sendo ameaçada por bandidos, um grupo de samurais, alguns deles em busca da redenção, vem para o resgate.

Os Sete Magníficos

Mesmo em 1960 não era estranha a tendência de Hollywood para a produção de remakes. Basta substituir o Japão pelo México e as espadas pelos revólveres, e recrute um elenco composto pelos atores mais durões do cinema e voilà - você tem um western clássico.

Vencedor: Os Sete Samurais, a originalidade leva tudo.
Placar: Oriente 1 Ocidente 0

2) Romance:

Appaloosa

Ed Harris e Viggo Mortensen viajam de uma pequena cidade para outra, na qualidade de agentes da lei a serem contratados. Tudo vai bem até a chegada de Renee Zellweger e o desenvolvimento de um caso clássico de triângulo amoroso.

The Hidden Blade

À primeira vista, além de começarem com a mesma letra, "Samurai" e "Sentimental" não parecem ter muito em comum. Mas o conto romântico escrito e dirigido por Yoji Yamada, definido com o pano de fundo nos assuntos do Estado japonês do século XIX, tem como objetivo provar o contrário.

Vencedor: The Hidden Blade, porque, francamente, Zellweger está muito chata em Appaloosa.
Placar: Oriente 2 Ocidente 0

3) Humor:

Zatoichi

A adição do sempre bem-humorado Takeshi Kitano para a série de filmes sobre as peripécias de um espadachim cego oferece um ligeiro desvio das convenções do gênero, a produção é dotada de momentos únicos e loucos. Além do espadachim-massagista-cego, ainda temos uma dupla de gueixas vingativas (com direito a uma gueixa-travesti), um amigo não muito esperto e um mercenário de causa e nobre. Uma ode e uma afronta ao samurai e a tudo o que o cerca.

Dívida de Sangue

Cat Ballou, a imbatível Jane Fonda, precisa encontrar e reabilitar um pistoleiro alcoólatra, a fim de vingar o assassinato de seu pai. Isso pode soar como uma história muito tensa, mas os números musicais e o duplo papel cômico de Lee Marvin ajudam a iluminar a atitude do filme, trabalho este que rendeu um Oscar a Marvin.

Vencedor: Zatoichi. É muito difícil bater a cena da dança da aldeia.
Placar: Oriente 3 Ocidente 0

4) Os anti-heróis:

Os imperdoáveis

Clint Eastwood reescreve a mitologia do gênero como um caçador de recompensas anti-heroico que já tirou muitas vidas em sua carreira. Ele cavalga por uma pequena cidade de Wyoming para enfrentar um xerife criminoso em um filme que redefiniu a sua carreira.

Harakiri

Masaki Kobayshi usa a história pesada sobre samurais e vingança, oferecendo uma crítica pungente sobre as regras estritas e rituais da sociedade japonesa.

Vencedor: Os imperdoáveis, uma vez que elevou o gênero a uma nova fase, além é claro da presença de Eastwood.
Placar: Oriente 3 Ocidente 1

5) Os caras maus:

Por uns dólares a mais

Os lobos solitários Clint Eastwood e Lee Van Cleef devem juntar forças se eles quiserem levar uma gangue de ladrões à justiça em um dos maiores westerns spaghetti já feitos.

The Sword of Doom

Tatsuya Nakadai é um mestre samurai que escolheu o caminho do mal e empresta suas habilidades mortais com a espada para vários malfeitores. Como acontece a medida que prosseguem os filmes sobre anti-heróis, a quantidade de cadáveres que ele deixa em seu rastro apenas cresce.

Vencedor: Por uns dólares a mais. Nada pode superar Van Cleef e Eastwood juntos, especialmente quando eles são apoiados pela composição magistral de Ennio Morricone.
Placar: Oriente 3 Ocidente 2

6) Ultra Violência:

Ninja Assassino

Raizo é um dos assassinos mais temidos do mundo, treinado pelo clã Ozunu - um grupo secreto cuja existência em si já é considerada uma lenda - para ser um assassino exímio. No entanto, a execução sumária de seu amigo faz com que Raizo volte-se contra o grupo. Buscando por vingança, o resultado não pode ser outro além de muito sangue fluindo através da escuridão.

Meu ódio será tua vingança

Apelidado de "Bloody Sam", nenhum filme ou mesmo um outro filme dirigido por Sam Peckinpah pode se igualar a quantidade de balas disparadas em sua polêmica obra-prima sobre uma gangue de criminosos em fuga. Sim, eles são como os gêmeos maus dos Sete Magníficos.

Vencedor: Meu ódio será tua vingança. Nem tenho o que discutir.
Placar: Oriente 3 Ocidente 3

7) Fantasia:

Jonah Hex

Como se combater um vilão principal interpretado por John Malkovich já não fosse o suficiente, esta adaptação cinematográfica do personagem dos quadrinhos da DC Comics acrescenta o sobrenatural a obra. Jonah Hex no entanto é compensado pela presença de Megan Fox.

Ninja Scroll

Ninjas já levam uma vida bastante perigosa sem terem que enfrentar monstros. Mas neste aclamado animê, Jubei é o herói que vai enfrentar uma miríade de vilões mortais de todas as formas que você puder imaginar. Um animê surpreendente para época em que foi produzido e, mesmo visto nos dias de hoje, ainda impressiona e conquista o espectador. Responsável por criar muitos fãs de produções japonesas no tempo em que internet rápida era um privilégio para poucos.

Vencedor: Ninja Scroll. Por tudo o que já foi dito.
Placar: Oriente 4 Ocidente 3

8) Heroínas:

Lady Snowblood

Meiko Kaji não contrata ninguém para vingar a morte de sua família. Ela cuida de tudo sozinha.
Adaptado do mangá de Kazoe Koike, o mesmo autor de "Lobo Solitário", Lady Snowblood é um cult de 1973 que influenciou inclusive Quentin Tarantino. Este filme combina uma visão filosófica da violência, simbolizada pela vingança da protagonista, brilhantemente interpretada por Meiko Kaji, contra uma agressão ocorrida antes do seu nascimento, como um fardo perpetuamente cíclico.
A jovem nasce na prisão e leva uma vida toda se preparando para encontrar os estupradores de sua mãe. Ela é a metafórica filha do ódio, desprovida de qualquer emoção que não seja a retribuição em sangue, fruto de várias relações que sua mãe mantinha com colegas da prisão.
Uma guerreira hábil, porém falível, ela não é uma máquina de guerra, mas uma espécie de revolucionária que reflete sua nação, elemento evidenciado pela decisão de termos a narração dos eventos nas mãos de um jornalista, que eventualmente traça subliminares paralelos sociais entre os atos daquela que investiga e as mudanças políticas que tomavam de assalto a sociedade japonesa.

Rápida e Mortal

Sharon Stone chega ao vilarejo de Redenção para participar de um concurso entre pistoleiros. Seu objetivo é enfrentar Herod (Gene Hackman), já que ele destruiu sua vida no passado. Logo ao chegar ela conhece Cort (Russell Crowe), que se recusa a usar uma arma para matar alguém novamente. Sabendo que Cort é um dos melhores pistoleiros da região, Herod tenta fazer com que ele também participe da competição.

Vencedor: Lady Snowblood. Memorável, além de ser a inspiração para a maior parte do primeiro capítulo de Kill Bill.
Placar: Oriente 5 Ocidente 3

9) Estilizado Preto & Branco:

Dead Man

Johnny Depp é o criminoso mais improvável no oeste de Jim Jarmusch.
Dead Man conta a história da viagem física e espiritual de um jovem num território hostil e selvagem. Ele viaja para as mais longínquas fronteiras do oeste americano, perdido, gravemente ferido e, perseguido por pistoleiros, encontra um nativo americano chamado “Ninguém”. Belíssimo road movie do oeste, com características existencialistas e ritmo hipnótico, moldurado por paisagens deslumbrantes e atemporal.

Samurai Fiction

A trama acontece em 1696 e centra-se em Inukai Heishiro (Fukikoshi Mitsuru), samurai filho de um oficial, que sai em busca de uma preciosa espada roubada por Kazamatsuri.
Dando uma nova visão ao gênero samurai, Hiroyuki Nakano enche seu filme com as aventuras de guerreiros ninjas incompetentes.

Vencedor: Dead Man. Pré-Jack Sparrow Depp em sua melhor atuação.
Placar: Oriente 5 Ocidente 4

10) Estrelado por Franco Nero:

Ninja - A máquina assassina

Um dos primeiros filmes de faroeste a colocar um ninja no papel principal. Esta produção de Menahem Golan estrelou o favorito e difícil ator italiano como o todo poderoso ninja branco.
Como descrever? É ruim, é engraçado, é uma bobagem sem limites! É tão trash que chega a ser divertido!

Django

O diretor Sergio Corbucci disse a famosa frase: "Ford teve John Wayne, Leone teve Clint Eastwood, eu tive Franco Nero."
Django é o spaghetti western mais influente de todos os tempos.

Vencedor: Django. Há uma razão que o tornou quase um sinônimo para spaghetti westerns na Europa.
Resultado Final: Oriente 5 Ocidente 5

Parece que temos um empate. Talvez o certo seja lembrar que às vezes é melhor cooperar do que competir, como evidenciado neste encontro de paz entre Charles Bronson e Toshiro Mifune:

                             

segunda-feira, 6 de abril de 2015

O CATOLICISMO CLÁSSICO DOS ANIMÊS


Retornamos com a terceira parte da série sobre a religião cristã na cultura nerd/geek e também aproveitamos para comentar sobre os mitos, preconceitos e propaganda anticatólica, cujas primeira e segunda postagens podem ser vistas aqui e aqui, caso esteja interessado.

Mas desta vez falaremos mais sobre os retratos positivos da Igreja Católica presentes em muitos animês, além é claro de vários temas por eles apresentados que coincidem com temas católicos e que estão mais presentes do que você imagina nestas obras.
Se ficou curioso, eu aconselho uma leitura do blog (em inglês) Medieval Otaku, cujo autor é um nerdão ex-seminarista apaixonado pela cultura oriental e pela religião.

Você com certeza já se pegou vendo algum animê quando inesperadamente surge um jovem utilizando vestes religiosas de aparência interessante e, apesar de parecer um pré-adolescente, é um suposto padre católico. Como John Brown de Ghost Hunt, que tem apenas 20 anos e é um padre e exorcista! 
Claro que muitas das vestes utilizadas por eles não são trajes sacerdotais típicos, e não é raro vermos os personagens portando armas de fogo e metendo bala nos demônios. E se há alguma freira ajudante, ela provavelmente lançará feitiços mágicos.
De repente todo padre será um lutador badass, o clero será completamente povoado por homens jovens, bonitos, e tudo sobre a estrutura, a hierarquia, a história ou crenças religiosas, obviamente, será um tanto peculiar, mesmo para as pessoas que não são católicas e estão apenas perifericamente cientes de que a Igreja Católica está sendo apresentada na animação.
O Japão não tem uma grande população de cristãos, e quando a Igreja aparece, predominantemente será para proporcionar uma sensação de magia ou mistério (a bela arquitetura católica também transmite um grande maravilhamento).
Sim, eu me interesso muito pelo tema Catolicismo Histórico. Falar da Igreja Católica fascina muita gente, inclusive o povo japonês, um dos que mais demonstra tal fascínio.
Acredito que existam muitos devotos que também curtem uma boa animação oriunda da Terra do Sol Nascente. O que esses fãs não devem saber é que há realmente algumas séries de animê que conscientemente fazem uso de temas católicos e seus simbolismos, algumas abertamente, algumas de forma sutil.
E aqui está uma pequena lista com alguns do animês que tratam o tema de forma sutil, bela e (por que não?) irreverente:

Sakamichi no Apollon
Já falei deste animê algumas vezes neste blog, e além desta obra contar um belíssima história sobre amizade, apresenta visíveis influencias da fé e da simbologia católica.
A história se passa nos anos 60, em uma pequena cidade do sul do Japão, e há muitas referências históricas como a Guerra do Vietnã, os movimentos socialistas estudantis e o jazz. Aparecem vocações religiosas, como a de Sentaro Kawabuchi, que termina a história tornando-se um padre.
É curioso, todos nós somos obcecados por sexo, e por isso nos dias de hoje fica complicado para entendermos a forma de pensar dos padres e freiras com relação aos seus votos.
No animê também aparece o rosário e alguns valores católicos, e dois dos personagens principais são católicos praticantes que fazem amizade com um garoto que chegou a cidade e o influenciam positivamente, convidando-o a juntar-se a sua banda de jazz.
                                    

Comecei então a me interessar mais por animês/mangás estilo josei (tipo uma novela). Sakamichi no Apollon é fantástico e artístico, por sua bela história, os seus personagens super carismáticos e envolventes e, claro, o jazz, um dos meus estilos musicais favoritos.


Samurai Champloo
Esta série semi-histórica narra as aventuras de três companheiros - Jin, Mugen, e Fuu - viajando através do Japão da Era Tokugawa. Ao longo do caminho, eles se deparam com obstáculos que variam de funcionários corruptos do governo, holandeses fanáticos por gueixas, e até mesmo uma família de piratas vingativos. A série conta com uma trilha sonora divertida e anacrônica composta por músicas de hip-hop, juntamente com seu contexto histórico no Período Edo tardio (meados de 1800). Ele também inclui sequências de ação que caracterizam "artes marciais" de reminiscência da cultura de dança hip-hop.
Mas o que tudo isso tem a ver? Bem, neste caso falaremos de um tema de um capítulo pouco conhecido da história japonesa.
Ao final da série somos apresentados a um subplot a respeito de um grupo de cristãos japoneses perseguidos. Não se fala muito no diálogo sobre esta perseguição, mas o que vislumbramos via flashbacks efetivamente aponta para o martírio que este grupo, como suas contrapartes históricas da vida real, sofreu nas mãos de seus perseguidores da dinastia  Tokugawa. Um episódio mais cedo também aborda a realidade dos cristãos perseguidos, e ainda inclui uma cena historicamente correta em que os moradores japoneses estão alinhados e ordenados - sob a ameaça da espada - a pisar em uma imagem de Cristo para provar a sua lealdade para com o Japão.

                                         
Os mártires do Japão são um grupo bastante negligenciado na história do cristianismo. É surpreendente vê-los em destaque numa série de animação produzida no próprio país em que eles foram submetidos a essa opressão terrível.


Hokuto no Ken

Com a masculinidade sendo de uma certa forma reprimida nos últimos tempos, nada como recordar de uma obra-prima de pura testosterona e atitude inspiradora para o homem. 
Se a narrativa messiânica já tem uma imensa influência na ficção, principalmente na mitologia dos super-heróis, temos em Hokuto no Ken a sua maior manifestação. A narrativa das histórias em quadrinhos, dos desenhos de ação, da ficção científica, utilizam-se constantemente da figura clássica do messias. 
Em Hokuto no Ken o messianismo é mais perceptível nos principais protagonistas da história, os irmãos Kenshiro, Raoh e Toki.
Uma das cenas mais católicas de Hokuto no Ken, contudo, acontece nos momentos finais da vida de Shuu, um guerreiro que dera a visão dos seus próprios olhos para poder salvar a vida de Kenshiro quando este ainda era uma criança.
Os momentos finais do guerreiro cego retratam a Via Crucis de Jesus Cristo:

                                   

Em comparação a série de animação original de Hokuto no Ken, a cena da morte de Shuu é bem mais artística nos OVA's modernos, com uma animação de infinita qualidade e uma trilha sonora impecável, lembrando a música sacra. 

Cowboy Bebop
Considerado por muitos como uma das melhores séries de animê de todos os tempos, Cowboy Bebop tem lugar em um futuro distante em que a humanidade tem colonizado vastas regiões do espaço sideral. Temos um grupo heterogéneo de caçadores de recompensas - com Spike Spiegel, o protagonista principal e um ex-membro de um sindicato do crime; Jet, parceiro de Spike e um ex-policial; Faye, uma caçadora de recompensas com um passado misterioso; e Edward, uma jovem hacker - que vivem juntos como família em sua nave espacial chamada Bebop, trabalhando em conjunto para caçar e capturar os criminosos mais perigosos do sistema solar... por um bom preço.
O antagonista principal da série é uma figura do passado de Spike apropriadamente chamado Vicious, um indivíduo puramente diabólico, empunhando uma espada.
Através de Vicious, temas abertamente católicos sobre o bem e o mal tornam-se o foco principal da série: Quando encontramos Vicious no episódio "Ballad of Fallen Angels", é ao som de Ave Maria como fundo sonoro; O primeiro confronto de Spike com Vicious ocorre em uma abandonada - e ornamentada - igreja; Muitas das falas de Vicious evocam a teologia ("Quando os anjos são expulsos do céu, eles se tornam demônios"); e Vicious é repetidamente descrito como uma "serpente" (no caso do simbolismo não estar claro o suficiente).
O confronto entre Spike e Vicious, enquadrado no contexto de uma batalha eterna entre a virtude e o diabólico, magistralmente dirigido por Shinichiro Watanabe (que também dirigiria Samurai Champloo) em um estilo que lembra o de John Woo, ajuda a fazer Cowboy Bebop de longe a série mais popular nesta lista, e sem dúvida a melhor.


Death Note
Como próprio título deveria implicar, Death Note é de longe o mais sombrio animê desta lista, e também passou a ser uma das séries mais populares nos últimos anos.
Um jovem brilhante, mas desiludido, chamado Light Yagami, que um dia encontra um caderno com uma série de instruções bizarras impressas em seu interior. A primeira instrução afirma simplesmente: "O ser humano cujo nome está escrito neste caderno morrerá." Com um pouco de ajuda de um Shinigami (ou "deus da morte") chamado Ryuk, Light embarca em uma missão arrogante para remodelar o mundo à sua própria imagem, com o objetivo final de entronizar-se como Deus, e não tem sequer receio em julgar e eliminar qualquer um que fique em seu caminho.
Mesmo que não esteja claro se é intenção do escritor, Light Yagami funciona perfeitamente como uma metáfora humana para o Diabo. Lembre-se, por exemplo, que "Lúcifer" se traduz como "portador da luz" e que o pecado deste era que ele desejava - como Light - tornar-se Deus. O desenvolvimento gradual de Light e o modo como ele se esforça para alcançar esse objetivo profano fornecem uma ilustração vívida da compreensão católica do mal. A série também é cheia de acenos sutis ao cristianismo nas formas de simbolismo e música. Cruzes, crucifixos, e uma igreja em chamas são apenas algumas sugestões visuais da mensagem central da série.
Spoilers para Death Note devem ser evitados a todo o custo, mas basta dizer que a história como um todo pode ser tomada como um aviso severo: "Não julguem para não serem julgados".


Trinity Blood
Talvez os mais velhos já tenham ouvido falar de um seriado chamado Father Dowling Mysteries, no qual um sacerdote católico investiga crimes e é muitas vezes acompanhado por uma freira como sua ajudante. Bem, adicione vampiros e animação japonesa, e você terá Trinity Blood.
Trinity Blood é a melhor série nesta lista? Não, mas é de longe a mais católica. O personagem principal é Abel Nightroad, um padre católico e um "Kresnik", um vampiro que se alimenta de outros vampiros. Sua companheira é a jovem freira Esther Blanchet, que o acompanha em missões de manutenção da paz que (de praxe) geralmente acabam se transformando em batalhas cheias de ação.
Trinity Blood é abertamente respeitoso a Igreja Católica, retratada como uma defensora da paz e como uma força para o bem no mundo. O vampirismo do padre Nightroad é enquadrado como uma metáfora eficaz para a natureza frágil do homem. Ele se esforça constantemente e às vezes sucumbe a seus impulsos perversos, mas sempre seguido pela possibilidade de arrependimento e um renovado compromisso para combater as forças das trevas.


Cavaleiros do Zodíaco

O animê de maior sucesso a ser transmitido no Brasil, responsável pelo começo da invasão das animações japonesas na TV, e também por todos nós, que nos tornamos fãs, estarmos aqui hoje, discutindo este assunto na internet. "CDZ" também é carregado de mensagens, valores e simbolismos cristãos.

Hyoga, o cavaleiro de Bronze de Cisne, apesar de defender a deusa Atena, sempre carrega consigo um rosário, e durante muitos dos seus combates busca forças pensando em Deus e em sua falecida mãe Natassia, uma católica devota:

                                       
Durante a aclamada versão animada da saga de Hades, no episódio 4, intitulado "A penitência do Imortal", o irmão gêmeo de Saga de Gêmeos, Kanon de Dragão Marinho, que fora um traidor da deusa Atena e um general de Poseidon, tem seus crimes perdoados por sua deusa, mas isso não bastou para que Milo de Escorpião acredita-se na sua mudança.
Enfrentando o peso dos seus próprios pecados, Kanon protagoniza uma das cenas mais fortes e memoráveis desta animação:
                                       

E finalmente o meu momento favorito deste animê: a destruição do Pilar Principal do Reino Submarino de Poseidon.
Tal feito seria impossível para os mortais, tal pilar nunca desabaria mesmo pela vontade dos deuses.
E esta foi a descrição do momento no mangá: "Existe uma coisa... apenas uma coisa que Deus concedeu aos homens... que lhes permite se superar e fazer coisas que apenas os Deuses são capazes de fazer... E isso se chama milagre."
Assombrado, restou a Poseidon apenas observar e dizer: "Pégaso...um ser humano... Fez um milagre?! Diante de mim, Poseidon... um deus?"

                                       

Esse acontecimento da saga de Poseidon foi para mim o momento mais foda tanto do animê quanto do mangá, e ainda repleto de simbolismos e significados.
CDZ prova que, para você ter um bom animê/mangá, basta "o bem, o mal e uma boa luta".


Sailor Moon
Merece uma menção honrosa ao animê clássico da Sailor Moon. E sei que você deve estar se perguntando o que este animê tem a ver com os outros desta lista. Mas falo especificamente de um belo momento que aconteceu no episódio 26 do seriado.
Naru (Molly na nossa dublagem) encontrava-se muito triste e desamparada após a perda de seu grande amor, o ex-vilão agente do Dark Kingdom Nephrite, que havia se sacrificado para salvá-la dos seus antigos aliados, tendo uma morte muito violenta.
Durante o dito episódio, Naru se encontra com um padre, que apesar de sequer ser revelado o seu nome, trata-se de um dos retratos mais positivos que já vi de um sacerdote católico em uma obra de ficção.
Naru conversa com aquele senhor, revela que a pessoa que amava morreu e que não pode fazer nada para salvá-lo. Nephrite sofreu tanto e ela não conseguia aceitar a morte deste seu amado.
O padre diz ter certeza de que ela salvara o jovem que amou, mas Naru acha que agora que ele se foi, não lhe resta mais nada.
Então o bondoso padre diz que mesmo que ela não perceba, está rodeada de amor, basta olhar ao seu redor e encontrará amor.
Sempre lembrei mais de Sailor Moon, nos tempos áureos da Rede Manchete, pela sua comédia divertida e escrachada, pela ação, e pelos seus personagens encantadores. Mas ele também era respeitoso com as diferentes representações sociais. O padre neste episódio representa o lado positivo da religião: ele ofereceu conforto ao coração de uma jovem que acabara de conhecer por pura bondade e dever. 
Espero que tenham curtido e que compreendam o porquê de eu fazer postagens como esta e me interessar por temas assim. Mesmo mentalidades céticas, como a minha, são capazes de se encantar por todas estas histórias, e também acredito que qualquer um possa.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

ESPECIAL DE PÁSCOA: TOP 10 DAS COELHINHAS


Todos com paixão por personagens antropomórficos tem as suas favoritas, sejam estas gatinhas, raposinhas, gambazinhas...
Os tipos mais irresistíveis são as coelhinhas. E eu concordo com a preferência, apesar da minha favorita ser uma gata, a Blaze the Cat do universo dos games de Sonic the Hedgehog.
Aproveitando esta época do ano e em homenagem a tão adoráveis criaturinhas, selecionei na forma de mais um Top 10 as melhores coelhinhas da cultura nerd/geek.
Mas atenção furrie fans: Esta não é uma postagem de conteúdo sexual! Caso fosse, algumas personagens nem teriam entrado e outras certamente ocupariam posições diferentes neste Top 10.
Portanto, considerem esta postagem como o Top das coelhinhas mais relevantes para a cultura nerd.
Esclarecido, vamos em frente...

 

10º Lugar
Anais Watterson

O Incrível Mundo de Gumball é uma das melhores animações atuais do Cartoon Network. É engraçada, inteligente e acima de tudo inovadora e bizarra.
Anais Watterson é uma coelhinha prodígio de apenas 4 anos. A sua família segue um padrão semelhante ao apresentado pelos Simpsons. O pai, Ricardo Watterson, é um coelho gordo, bem lesado, infantil e burro, tipo um Homer Simpson, enquanto a mãe, Nicole Watterson, é uma bela e responsável gatinha, mas que muitas vezes pode ser chata e implicante. Por que uma mulher tão atraente sempre está casada com um gordo esquisito nestas comédias? Mas o caso destes dois é mais sério. Ricardo consegue ser mais tapado do que um Homer, nem um emprego o cara tem.
Em uma família de loucos (Nicole incluso), Anais destaca-se como a mais inteligente, embora ainda não possa evitar de ser levada pelas ideias torpes dos seus irmãos Gumball e Darwin, e quase sempre é ela quem precisa resolver os problemas que eles acabam causando.
Anais é atualmente o que a Lisa Simpson deveria ter sido. Infelizmente a loirinha inteligente e adorável de Springfield deixou toda a sua personalidade cativante de lado para tornar-se um projeto de vegano feministinha irritante.
Esta doce coelhinha gosta muito de ler e é adorável na maioria das vezes, embora possa tornar-se violenta quando provocada. Podemos dizer que Anais herdou a aparência do pai e a personalidade da mãe. Pois é, tem um coelho se casado com uma gata e eles estão tendo filhotes, mas isso não é coisa mais bizarra desse desenho.
 

 
9º Lugar
Princesa Vi

Samurai Pizza Cats, originalmente chamado de Kyatto Ninden Teyandee, foi um dos animês mais malucos que poucos tiveram a oportunidade de conhecer, tendo sido exibido no Brasil na década de 1990 no programa TV Colosso pela Rede Globo.
Os desenhos animados norte-americanos oitentistas do estilo de Thundercats e Silver Hawks, tinham uma forte influência das animações japonesas, é só reparar o traço estilizado e as aberturas destas atrações. E nada me tira da cabeça que o animê Samurai Pizza Cats foi criado com a intenção de parodiar a forma como eram feitos os desenhos americanos tradicionais. Ele parecia um pouco com As Tartarugas Ninjas.
Bem, Violet, ou simplesmente Vi (Usa-Hime no original) é a princesa de Edoropolis, um reino que parece uma mistura de Japão medieval com Japão futurístico, que é habitado pelos Animaloids, uma raça de adoráveis furries robóticos da qual esta coelhinha também faz parte.
Desde que seu pai ficou louco e sua mãe gasta todo o seu tempo viajando pelo mundo, a jovem coelha teve que assumir um grande poder e responsabilidade para com o seu reino. Para auxiliá-la há um grande Conselho para a administração do governo, no qual está o seu maior opositor Seymore "Big Cheese" (Koon no Kami), que pretende tomar o poder para si e é conhecido por seus estranhos hábitos de travecagem e de flertes com os seus subordinados masculinos (Eu não disse que esse animê era maluco?), e Al Dente (Wanko no Kami) que é leal ao família real.
Sendo uma princesa mimada, Vi está propensa a acessos de raiva e por vezes violência, quando ela não consegue o que quer. Mas ela é mais temia por sua autoridade, que pode usar para condenar qualquer um exilado para uma ilha isolada do resto do mundo. Ela também tem habilidades de luta, defendendo-se muito bem com a sua naginata.
Aposto que você subestimou a princesa de Edoropolis só por causa dessa carinha linda que ela tem...
Embora seja mais conhecida por seu temperamento, Vi também pode ser doce, divertida e muito fofa.


 
8º Lugar
Ruby
 
Ruby é um das três principais personagens oficiais da franquia Jewelpet. Ela é uma coelha japonesa que simboliza a coragem e é uma das mais populares.
As três das quais falamos são igualmente apaixonantes: Sapphie, a cadelinha, é muito tímida, mas muito inteligente, e tem uma voz tão suave que derrete qualquer um; Garnet, a minha favorita, é uma gatinha vaidosa, romântica e sexy (opa), ela gosta de se vestir e agir como humana; e Ruby, de quem falaremos, é a mais engraçada e humana dos Jewelpets.
Ruby vive intensamente a razão de existir dos Jewelpets: ser amiga de todos os humanos! Ela pode ser descrita como tendo um caráter educado e cortês, e gosta de assistir as flores de cerejeira florescerem. Suas magias normalmente tinham a função de aumentar a sorte de alguém, embora isso foi mudado quando o animê foi ao ar pela primeira vez. São tantas séries e universos que é um pouco complicado explicar o mundo de Jewelpet.
Muito alegre, ousada e feliz, as atitudes despreocupadas de Ruby muitas vezes podem ser causadoras de problemas, mas ela está sempre pensando positivamente. Aliás, Ruby é um grande exemplo para todos nós. Apesar de viver se complicando e errando, afinal ela é um tanto burrinha, está sempre aprendendo e rindo de si mesma, e nunca se dá por vencida, tentando se superar e não permitindo que o desanimo tome conta dela. Está sempre alegre e procura passar essa alegria e otimismo para todos os seus amigos.
Mesmo quando estão fazendo-lhe críticas, Ruby acredita estar sendo elogiada. Ela tem um olhar bobo, um sorriso bobo e faz julgamentos bobos, e eu quero ser amigo dela!
Além de tudo isso, Ruby pode ser considerada a coelhinha mais pegadora de todos os tempos! Só para citar, ela pegou o Tour, o Nephrite, o Eucu e o Mikage Shiraishi. Sim, antes que você pergunte, Mikage é humano, um romance interespécies no animê, mas falaremos sobre isso num outro dia.

 
 
7º Lugar
Lola Bunny

Lola Bunny é conhecida por ser o interesse amoroso atual do Pernalonga, o astro maior da Warner Bros, por iniciar a sua carreira em 1996, jogando basquete com Michael Jordan, trazendo o seu bordão "Não me chame de boneca" e por ser incrivelmente atraente e gostosa.
Pela Lola Bunny todo mundo vira furry!

Furries. Furries everywhere!
Esportes não são conhecidos por dar uma carreira duradoura para os personagens dos desenhos animados, mas o caso de Lola foi bem peculiar.
Apesar de todas as qualidades apresentadas pela personagem, dificilmente poderia ser lembrada como uma personagem divertida e engraçada. Em sua aparição no filme Space Jam, Lola era a personagem mais normal, séria e tinha grande experiência com o basquete.
Lola retorna em Baby Looney Tunes e sua personalidade não difere muito daquela que conhecemos no longa metragem. A personagem brilhou de verdade, na opinião da maioria dos fãs, na animação O Show dos Looney Tunes, onde ela é apresentada como uma lunática tão maluca quanto uma Pinkie Pie e mais obcecada do que uma Amy Rose. Neste desenho, deram a Lola a loucura digna de um Looney Tune, mas infelizmente a animação durou muito pouco, o que não significa que não tenha sido muito marcante.



6º Lugar
Beehonie

Kissyfur foi um desenho dos anos 80 muito marcante e bonito, e o coelhinha Beehonie também foi um dos personagens mais marcantes da minha infância.
O desenho contava a história de Gus e do seu filhinho Kissyfur, uma dupla de ursos que se juntara ao circo. Um dia, durante uma viagem, o trem do circo sofre um acidente e descarrila, e os ursos escapam para uma nova vida nos pântanos. E lá eles se juntam a  outros animais, habitantes do pântano local, os ajudam com seus problemas com os jacarés que lá também vivem e ainda usam das competências que adquiriram do mundo humano para criar um negócio de passeio de barco para o transporte dos outros animais abaixo do rio.
Kissyfur conhece e faz muitas amizades com outros filhotes, dentre eles Beehonie, a coelha branca que tem uma queda por ele.
Beehonie é o único filhote do sexo feminino no pântano e tende a agir como a voz da razão por diversas vezes. Extremamente doce, educada e delicada, de longe o personagem mais carismático da animação e uma das primeiras paixões deste blogueiro. A típica namorada de infância que todo mundo gostaria de ter tido. 


 
5º Lugar
Lilica

Tiny Toons é um desenho inesquecível e repleto de personagens marcantes, sendo o maior deles a Lilica.
Ela é uma artista feminina, uma coelhinha muito engraçada que vai fazer quase qualquer coisa para arrancar as nossas risadas. Perfeita em comédia de improvisação e é uma comediante impressionista, seguindo o estilo de um Robin Williams. Capaz de mudanças rápidas de figurino, muitas vezes obtidas simplesmente girando em torno de um círculo muito rápido. Ela, apesar de não ter um mentor no princípio, é muito mais Pernalonga do que o próprio Perninha.
Lilica é uma "estrela", alegre, hiperativa, amável e irreprimível. Ela é atrevida, mas com um toque distintamente feminino. Uma impressionista e comediante de muita energia que não sabe quando parar.
Transborda de energia e está sempre se transformando em uma nova representação de celebridade. Ela usa essa habilidade para surpreender seus amigos, confundir seus inimigos, ou simplesmente para entreter-se quando não há ninguém por perto.
Curiosamente esta personagem também pode ser descrita como a junção de dois personagens: o Pernalonga, de quem já falamos, que também muda seu figurino para enganar os seus inimigos e representando a parte maníaca e louca da sua personalidade, e Honey, dos desenhos animados de Bosko dos Looney Tunes originais, que veio a tornar-se a sua mentora.
Também não podemos deixar de mencionar que ela foi uma das possíveis inspirações para Lola Bunny.


 
4º Lugar
Cream the Rabbit

Esta não poderia ficar de fora da lista. Alguém discorda?
Se algum dia eu tivesse uma filha, certamente gostaria que ela fosse como Cream the Rabbit, a filha única de Vanilla the Rabbit, das séries de games de Sonic the Hedgehog. Além de ser uma coisinha fofa irresistível, ela, caramba, foi ela quem parou o Emerl no animê de Sonic X, que foi um robô com a habilidade de assimilar as capacidades de todos os seus adversários, quase um Amazo feito sob medida para aquela turma do herói ouriço azul.
Desde muito cedo a Cream foi ensinada a importância das boas maneiras. Ela é uma menina educada, atenciosa e corajosa, mas também muito divertida, carinhosa e infantil. Ao contrário de sua mãe, ela fica muito entusiasmada por conhecer novas pessoas e ver novos lugares.
Por causa de sua ênfase sobre a importância da educação e das boas maneiras, ela tem uma baixa tolerância para a grosseria. Mesmo o pensamento de outros sendo desonestos pode causar a sua consternação, e ela torna-se especialmente chateada (e até com raiva) quando os Chao estão sendo maltratados.
Sendo considerada a melhor amiga e ainda uma sidekick de Amy Rose (da mesma forma que Miles "Tails" Prower é para Sonic), Cream aprendeu com esta a ajudar os outros e também a defender o que é certo. Enquanto por outro lado é Cream quem repassa algumas de seus qualidades mais femininas para Amy.
Apesar de muito jovem e com uma aparente ingenuidade com relação ao mundo que a cerca, Cream também é bastante astuta e capaz de reconhecer a correlação entre os eventos que parecem não estarem relacionados.
Há quem diga que o Tails tem um tombo uma quedinha por ela. E quem poderia culpa-lo? A Cream não é a coisinha mais fofinha, orelhudinha e de rabinho de pompom mais preciosa da existência?
Será que ninguém mais se apaixona aos 8 anos de idade?



3º Lugar
Bunnie Rabbot-D'Coolette
 
Uma furrie meio coelhinha meio máquina e ainda com sotaque caipira. Bunnie Rabbot da animação Sonic SatAM de 1993 e posteriormente presente nos quadrinhos da Archie Comics é uma obra-prima. 
Doce, bonita, gentil e maternal, Bunnie sempre olha para o lado positivo da vida e sempre procura afastar os pensamentos ruins para longe dela. Uma otimista por natureza e com um suave charme feminino. Ela é um pouco pragmática e realista, embora também conhecida por uma boa índole de namoradeira.
Apesar de suas maneiras femininas, ela possui uma raia tomboy, especialmente quando se trata de seu amor pelos esportes (artes marciais, em particular). Com um forte senso de coragem e determinação, ela gosta de competição, embora também não seja uma má perdedora. Tem um profundo amor por seus amigos e família, não tem medo de falar o que pensa e está sempre disposta a oferecer o seu apoio.
Desde que foi robotizada, Bunnie desenvolveu sentimentos mistos sobre a experiência. Embora ela tenha lutado contra o seu lado ciborgue, apreciou as habilidades de seus membros mecânicos e sua utilidade na luta contra Robotnik.
Um dos momentos mais difíceis da sua vida foi quando soube que seu corpo estava rejeitando suas partes robotizadas. Aqui ela passou por uma escolha complicada: confrontado uma tentativa potencialmente letal de Desrobotização, tendo tais partes desconectadas dela, ou receber uma atualização que tornaria impossível uma futura Desrobotização, e permanecer com seus membros robóticos para sempre. No entanto, o seu desejo de ajudar a defender Mobius venceu, e com o apoio de Antoine D'Coolette, ela escolheu ser atualizada.
Aliás, Antoine foi muito importante no desenvolvimento de Bunnie como personagem e vice-versa. Através de ambas as experiências de mudança de vida, Bunnie foi capaz de recuperar a compostura e continuar sua vida como uma lutadora da liberdade. Não é a toa que esse relacionamento dos dois acabou terminando em casamento.
Antoine é um cara de sorte!


 
2º Lugar
Lantu
 
Lantu é a heroína da animação chinesa Hong Mao Lan Tu Feng Huang Huo, também conhecida como Rainbow Cat & Blue Rabbit: Legend of the Seven Swords. Este desenho animado, que segue o estilo animê, foi uma grande surpresa que conheci há pouco tempo e seu filme um tremendo sucesso de bilheteria em todos os cinemas da China.
Esta personagem é demais. Ela é simplesmente um encanto, uma perfeita união de inteligência, força e beleza. Uma princesa guerreira muito leal ao seu povo e aos seus companheiros na batalha contra os vilões em pleno período medieval chinês.
Ela é muito independente e uma perfeita líder, e pode ser bruta e selvagem quando necessário em suas batalhas. Lantu também não faz o tipo da valentona que no fundo está a espera de um príncipe encantado, o dever vem em primeiro lugar para ela, embora muitos possam imaginar que rola um química entre a coelhinha e seu companheiro de batalhas Hongmao. 
Hong Mao Lan Tu Feng Huang Huo, produzido em Hunan é muito atraente e se destaca de diversas maneiras, com destaque a sua trilha sonora que surpreende.
Interessante também é a polêmica que a animação enfrentou no país por conta dos pais mais sensíveis que ficaram furiosos quando da sua exibição, já que este desenho não apresenta apenas criaturinhas adoráveis como Lantu em batalhas ferozes em meio a lições de lealdade, honra e bondade, mas também muita violência, sangue correndo e linguagem sugestiva (epa!).
Enfim, Lantu é demais. Eu amo essa guria.


 
1º Lugar
Marina Dattilo

Medalha de ouro mais do que merecida para Marina Dattilo, e caso você não conheça, é a personagem mais apaixonante da animação educacional canadense/estadunidense Arthur, que já conta com incríveis 18 temporadas.
Marina, a melhor amiga de Prunella Deegan, é bem madura para a sua pouca idade. Ela é gentil, compreensiva e atenciosa, embora ela odeie ser subestimada devido ao fato de ser cega.
Isso mesmo, Marina é cega de nascença. Um detalhe difícil de ser reparado pelo telespectador quando a coelhinha aparece pela primeira vez.
Ela tem um grande nível de independência e tende a dominar e assimilar as coisas muito rapidamente. Marina também é muito inteligente, atlética e joga em um time de futebol, tendendo a tornar-se competitiva em algumas situações.
Sua personalidade radiante e otimista e a sua beleza a tornam uma personagem muitíssimo agradável, a qual todos nós gostaríamos de ter como amiga.
Aqui é bom destacar a forte amizade que Marina tem com Prunella, uma das amizades mais marcantes e tocantes dos desenhos animados. No começo Prunella insistia em ajudar Marina em tudo, subestimando a independência da amiga devido a deficiência dela, e sempre fazia o possível para nunca ofendê-la, mas o que acabava acontecendo era o contrário.
Prunella fazia de tudo para proteger Marina e a sua amizade! Um sentimento muito forte une as duas meninas e Prunella temia muito perder Marina, a pessoa com quem ela mais gosta de ficar.
Marina Dattilo é uma belíssima personagem destinada a estimular o diálogo na comunidade sobre as perspectivas e capacidades das pessoas com deficiências físicas ou intelectuais, uma maravilhosa iniciativa para a abordagem do tema e para construir uma comunidade mais inclusiva por inspirar e motivar as pessoas a abraçarem diferentes habilidades e incluírem todas as pessoas em todos os aspectos da vida da comunidade.
Mais personagens como Marina deveriam existir nos desenhos animados.


 
PREMIAÇÃO MÁXIMA
Capitã Bokko

Para o "Hour Concur" decidi trazer uma surpresa.
Osamu Tezuka é por muitas vezes chamado de "pai da animação japonesa", mas ele poderia facilmente ser creditado como o pai da animação sci-fi (Você pode detectar o DNA de Astro Boy e Gigantor em tudo, de Akira a Gigante de Ferro). Uma de suas criações mais obscuras foi o maluco The Amazing Three.
Um produto de seu tempo, no melhor sentido possível, The Amazing Tree possui uma premissa que daria uma atração perfeita para um Adult Swim: Três alienígenas disfarçados como um coelho, um pato e um cavalo precisam decidir se eles devem explodir Terra ou salvá-la. Como todos os animês baseados nos trabalhos de Tezuka, a animação capta perfeitamente e com elegância a obra. A mistura de ação, humor, e consciência social na obra de Tezuka chama a atenção para o trabalho posteriormente produzido pelo grande mestre Hayao Miyazaki e o Studio Ghibli. Além disso, quando você o conhece mais profundamente, é pressionado a concordar que os conceitos de ficção científica presentes nas diversas animações japonesas surgiram da mente de Tezuka.
 
Em The Amazing Tree, a Capitã Bokko é uma garota (ou coelha) muito bonita, e também o cérebro do trio de invasores alienígenas. Ela é capaz de utilizar grandes poderes de hipnose, tem uma audição extremamente sensível, e também pode controlar o funcionamento interno de máquinas, pressionando as orelhas contra eles. Gosta de seres humanos e não vê necessidade de destruir o planeta por causa das ações de algumas pessoas ruins.
A Capitã Bokko desenvolve uma grande amizade com um terráqueo chamado Shinichi. E apesar do fato de que, em sua forma humanoide, ela seja um pouco mais velha do que o garoto (seu amigo humano está provavelmente no início da adolescência, enquanto ela deve estar na casa dos 20 anos), e também mesmo pelo fato da sua forma de coelha ter se tornado habitual, seus sentimentos por Shinichi são consideravelmente mais do que platônicos. Seu desejo mais profundo é o de ser uma menina da Terra para que ela possa estar para sempre com Shinichi.
Uma bela e maluca história. Bokko é linda, seja como humana, seja como coelhinha, tem personalidade e desenvolvimento marcantes, e ainda foi criada pelo eterno Osamu Tezuka. Por tudo isso ela merece a premiação máxima deste Top 10.


 
MENÇÃO ESPECIAL
Vanilla the Rabbit

Sinceramente eu queria que ela estivesse entre as 10, mas precisava de mais espaço para algumas das ideias que tive de última hora.
Eu tinha que fazer esta personagem aparecer nesta lista de qualquer maneira, então aqui está como Menção Especialíssima:
 
Vanilla the Rabbit é a bela e respeitada mãe de Cream the Rabbit e vive em uma pequena casa de campo perto de Night Carnival Zone com a filha. Não se sabe se ela é viúva ou divorciada, então como ela não tem um marido podemos dizer que é uma mãe solteira. Vanilla é uma chef habilidosa e sempre ensinou sua filha a nunca esquecer de dizer "por favor" e "obrigado".
Pois é, em todos os games de Sonic the Hedgehog em que Vanilla fez presença, nunca fora uma personagem jogável, mas mesmo assim conseguiu tornar-se tão relevante por ter um impressionante charme que é simplesmente o de ser uma mãe e mulher comum.
Vanilla é muito recatada e educada, e muito bem versada em boas maneiras e etiqueta apropriada. Ela odeia ter que se impor sobre as pessoas, e nunca quer causar nenhum problema para alguém. No entanto, ela parece um pouco desconfortável quando fora de seu elemento, isto é, quando deixa a sua área de conforto.
Muito carinhosa e amável, mostra-se como uma mãe devotada e preocupada, mas por diversas vezes permite que a filha entre em situações perigosas se alguém estiver lá para segurar sua mão. Não é a toa que o maior sonho do doidão do Vector the Crocodile é o dia em que se tornará o pai da Cream.
Vai sonhando Vector. É muita areia para o seu caminhão.

Curioso que Vanilla é mãe, mas não chega a ter características fortes de uma MILF, como uma certa personagem da divertida animação Max e Companhia:
 

... e DESTE TAMANHO? Tinha?
Na cena que você vê no gif acima, a tia "coelhona" estava tentando ser grosseira, mas o máximo que ela conseguiu foi ser sedutora (he, he).
FURRY + MILF = YOU HAVE THE POWER!