domingo, 24 de setembro de 2017

EM DEFESA DOS 7 GENERAIS MARINAS DE POSEIDON


Após a boa recepção a postagem MINHA OPINIÃO SOBRE "OS 12 CAVALEIROS DE OURO MAIS FORTES, SEGUNDO O TAIZEN", decidi explorar mais o famoso Taizen divulgado por Masami Kurumada relativo aos personagens de seu maior sucesso que é Saint Seiya.
E desta vez discuto sobre uma polêmica que considero muito maior: O poder dos 7 Generais Marinas da Saga de Poseidon no mesmo animê/mangá.
 
A polêmica com relação a estes personagens - polêmica esta que sequer deveria existir - se deve principalmente por culpa da própria Toei Animation, que é, na minha opinião, a maior responsável pela situação dos Marinas junto ao público. A fama destes personagens não é das melhores. Tanto que é muito comum uma opinião preconceituosa do público para com os Marinas: "Marinas de Poseidon, mal aproveitados ou fracos?"

A verdade é que a Toei influenciou em muito do que o público casual pensa dos mais poderosos servos do Deus dos Mares. Notem que mesmo a qualidade da animação decaiu bastante nesta última saga animada, contando com somente alguns episódios notáveis. Mas é claro que não entraremos em detalhes sobre os problemas que a produção da série enfrentava nessa época - era evidente a pressa em encerrar o animê! - porque iniciaria a discussão de uma outra polêmica.

 
As pessoas julgam os Marinas pela série animada. E isso é fato!
Os Marinas pareceram muito inferiores se comparados aos Cavaleiros de Ouro, mas isso não está certo. Eles são tão poderosos quanto, e alguns deles são até superiores aos dourados em alguns pontos.
 
A "facilidade" com que os Cavaleiros de Bronze enfrentaram as batalhas contra estes personagens não se deve ao fato dos Marinas serem mais fracos, mas sim porque os defensores de Athena estavam muito mais fortes do que eram na saga do Santuário quando enfrentaram os 12 Cavaleiros de Ouro.
Vejam que a Toei, para engrandecer seus personagens fillers, fez os "Bronze Boys" tomarem um coro violento dos Guerreiros Deuses em Asgard. Mas note que isso não determina a superioridade destes em cima dos cavaleiros dourados da saga anterior.
A verdade é que esta saga de Asgard fez os Cavaleiros de Bronze parecerem mais fracos do que eram na saga do Santuário.
O Shiryu apanhou de lobos e ainda implorou por misericórdia (!!!). Isso foi RIDÍCULO!
A Tempestade Nebulosa do Shun pareceu um "simples" tufão quando ele enfrentou o Mime. Bem diferente daquela tormenta cósmica que crescia infinitamente de quando ele enfrentou o Afrodite de Peixes nas 12 Casas.
Note também que as armaduras dos Cavaleiros de Bronze sequer ficaram douradas quando eles enfrentaram os Guerreiros Deuses, e elas já tinham revivido ao receber o sangue dos Cavaleiros de Ouro. Mas tal fenômeno é observado mesmo no animê apenas quando eles enfrentam os Marinas.
 
Acho a saga de Poseidon a mais divertida de se acompanhar no mangá. Os personagens estão muito interessantes e há um real desenvolvimento e evolução deles. Sem falar que temos também o "Momento Mais Santo do Santo Seiya". A queda do Suporte Principal do Templo de Poseidon é o momento mais Foda Pra Caralho de Cavaleiros do Zodíaco, e um dos momentos mais épicos de todo o Shonen Mangá!
 
O objetivo desta postagem não é apenas defender os personagens desta saga e o seu poder, mas também discutir sobre os mesmos, e chegarmos a conclusões. Mesmo que em alguns casos possa parecer tirar leite de pedra.


OS MARINAS MAIS PODEROSOS SEGUNDO O TAIZEN
 
Novamente transcrevo o TOP dos mais poderosos personagens segundo a Enciclopédia Taizen e em seguida dou a minha opinião sobre os dados relativos a cada personagem, porque não concordo com os números apresentados.
 
Aqui também os personagens são avaliados em uma escala de 1 a 5 nas seguintes categorias: Técnicas de Punho, Técnicas de Chute, Atributos de Armadura ou Assessórios (As armaduras dos Marinas se chamam Escamas e são equivalentes as armaduras dos Cavaleiros de Ouro), Espírito ou Força Cósmica, e Projeção de Golpes a Distância.
Se o Taizen dos dourados já é bem polêmico, o dos Marinas chega a ser ridículo. Sério! Então estejam avisados!
O TOP dos Cavaleiros de Bronze mais fortes também é tão polêmico que talvez mereça uma futura postagem.
 
Aqui faço como na postagem dos dourados. Exponho os dados do Taizen, dou a minha opinião e por fim tento refutar os dados para que juntos possamos chegar a uma conclusão.
 

 
7º Lugar
Isaac de Kraken

Na última colocação temos Isaac de Kraken, guardião do pilar do Oceano Ártico, um aprendiz de Cavaleiro convertido em Marina. Ex-companheiro de treinamento de Hyoga de Cisne e discípulo direto de Camus de Aquário, o cavaleiro de ouro guardião da 11º Casa Zodiacal no Santuário de Athena.
Com 4/5 em Técnicas de punho e 3/5 em Projeção de Golpes a Distância, sua técnica mais poderosa, a Aurora Boreal, é um ataque baseado em ar frio. E segundo o Taizen, o frio criado por esta técnica é comparável ao Execução Aurora de seu mestre Camus de Aquário. Compare os números de pupilo e mestre na postagem anterior sobre os Cavaleiros de Ouro.
Apesar de ter um golpe especial tão efetivo, Isaac deixa muito a desejar no quesito Cosmoenergia.

[O fenômeno da Aurora Boreal se produz quando partículas portadoras de uma carga elétrica entram na atmosfera, seguindo então as linhas do campo magnético. É no momento em que estas partículas entram em contato com as moléculas da atmosfera que se produz a aurora boreal. A cor depende da natureza destas moléculas. Isto pode explicar a natureza do ataque de Isaac.]

 
Sobre Isaac de Kraken

Eu nunca colocaria o Isaac de Kraken no 7º Lugar, mas sinceramente confesso que ele é um personagem difícil de se defender. Uma vez que, esperávamos muito dele - Porra! O cara foi treinado pelo Camus! - , e ele acabou decepcionando um pouco, sendo vencido por um Hyoga já muito ferido física e psicologicamente. Mas Isaac é um dos meus personagens preferidos da obra no quesito história, e sua personalidade e crueldade são também muito marcantes. Seu design caolho também é um dos melhores!
O único Marina cuja armadura não representa uma besta mitológica grega - O Kraken é uma criatura da mitologia nórdica, e Fúria de Titãs te ensinou errado! - pode expandir o seu cosmo, assim como o seu ar frio, para congelar os arredores e tornar seus ataques mais efetivos. Lembrem-se da "superioridade" dos cavaleiros que controlam a temperatura sobre os cavaleiros mais físicos.
Um personagem que merecia ter sido melhor explorado. Mas infelizmente ele não tinha uma função muito importante dentro da história.

Isaac foi um justo aprendiz de Cavaleiro e companheiro de treinamento de Hyoga na Sibéria Oriental durante sua infância, por isso ainda manteve laços afetivos que o conectavam ao Cisne. Talvez a forma como tenha sido derrotado seja o único argumento para justificar a sua fama de fraco, mas ele é um dos poucos Generais com uma personalidade mais formada, um passado e uma história. Seu caráter oposto ao de Hyoga permite um belo intercâmbio de ideias e um debate sobre a aplicação da justiça.
Sem dúvida, Isaac poderia ter sido melhor aproveitado. Comete alguns atos covardes - Ele espancou e quase matou Kiki, uma criança, para roubar a armadura de Libra - mas se arrepende na hora da sua morte, recuperando a personalidade valente e idealista que tinha na época de seu treinamento na Sibéria e que o diferenciava de Hyoga, que queria converter-se em Cavaleiro apenas para ver a sua mãe, não para lutar pela justiça. A aparente crueldade de Isaac era como uma máscara para ocultar seu verdadeiro caráter.
Podemos nos perguntar se Isaac assume plenamente a sua decisão de lutar por Poseidon, porque sua luta contra Hyoga deixa a impressão de que ele se retém e trata de completar aquilo que Camus havia começado no que se refere aos sentimentos do Cisne que interferiam em sua progressão como Cavaleiro. O duelo com Isaac representa a etapa final da maturação de Hyoga, que de um guerreiro prisioneiro de seus sentimentos, renasce na saga de Hades como um guerreiro completo.
 

 
6º Lugar
Krishna de Chrysaor
 
Krishna é um guerreiro MUITO PODEROSO, e talvez o mais delicado dos 7 Generais para se enfrentar - Shiryu e Ikki são conhecidos por sempre enfrentarem os adversários mais difíceis das sagas, e é daí que vem a sua aparente superioridade sobre os demais Cavaleiros de Bronze.
Sua Lança Dourada é muito eficiente, ao ponto de atravessar o escudo do Dragão como se este fosse feito de papel, e, nas palavras do próprio General, "nem mesmo o mais apto e forte cavaleiro poderia quebra-la". Mas basear-se apenas na lança para medir o poder deste General é um erro terrível.
Sua arma mais terrível é a sua barreira ofensiva (Soa paradoxal, mas é a definição apropriada) Maharoshini, baseada no alinhamento dos 7 chakras (Centros de energia vital do Hinduísmo). É impenetrável, danifica os sentidos em um primeiro ataque, por afetar a circulação sanguínea, e mata o oponente em um segundo ataque. Então, 2 Hits = K.O.
Apesar disso, estranhamente o Taizen entrega ao General guardião do pilar do Oceano Índico uma pontuação de apenas 2/5 no quesito Cosmoenergia (Menos do que Isaac). No quesito Atributos de Armadura ou Assessórios, por outro lado, recebe a pontuação máxima 5/5 que obviamente se deve a sua poderosa Lança Dourada.

 
Sobre Krishna de Chrysaor
 
Krishna de Chrysaor é um personagem muito interessante. Seu poder é tão grandioso que mesmo Kanon e Sorento ficaram espantados quando souberam de sua derrota para Shiryu. Seria possível que alguém como Krishna pudesse ser derrotado? Foi o que disseram.
De fato, sem a ajuda de Shura de Capricórnio que, antes de morrer, abençoou Shiryu com o poder da Excalibur, é difícil imaginar que Krishna pudesse mesmo perder aquela luta.
Estranho o Taizen entregar uma pontuação 2/5 no quesito Cosmoenergia a um personagem com uma habilidade tão fantástica como o Maharoshini. Talvez sua Cosmoenergia seja baixa porque ela apenas se manifesta quando a Lança Dourada de Krishna é destruída. Antes de perder a lança, Krishina é um típico oponente essencialmente físico.
Ou talvez o Maharoshini não seja dependente do cosmo de Krishna (!), uma vez que a energia dormente em seu corpo, a Kundalini, é diferente de tudo o que já tenha aparecido na série. E, se esta suposição for verdadeira, ele deve ser um adversário ainda mais terrível do que já imaginávamos.
É bom destacar também que NADA pode romper a barreira do Maharoshini. Esta desaparecerá apenas quando os 7 pontos dos chakras de Krishna forem rompidos (Informação esta que o General convenientemente revelou ao seu rival Shiryu). Isto significa que nem mesmo uma técnica como a Explosão Galáctica de Saga de Gêmeos poderia vencer Krishna. A Excalibur de Shura por outro lado é super-eficaz para isto. Lembrem-se da postagem sobre os Cavaleiros de Ouro: Golpe mais forte x Golpe com maior poder de destruição. 

Krishna é um homem que crê firmemente nos ideais de seu deus. Está persuadido de que a Terra necessita ser purificada, e por isso o sacrifício da raça humana é necessário, a morte de pessoas inocentes é indiferente. Suas ações não são por motivos malignos ou egoístas, mas para repovoar a Terra de gente pura, e trazer uma era de paz e perfeição, uma Krta Yuga (Uma Idade de Ouro de acordo com a mitologia Hindu, em contraposição a Kali Yuga).
É inicialmente um personagem violento e impetuoso, e se mostra um guerreiro orgulhoso, mas, após ter a sua lança quebrada, muda o seu caráter e se torna um homem mais místico e respeitoso, ao ponto de finalmente desejar saber o nome de Shiryu.
No fundo, é um guerreiro de honra e de caráter nobre, que luta de maneira justa e tem um grande respeito por seus adversários mais poderosos.

Esta batalha tem grande importância para Shiryu. Representa uma nova etapa de madureza, quando o Dragão recebe uma nova técnica não-suicida, e se dá conta de que sua fortaleza procede apenas de si mesmo e não de sua armadura.
Uma vez que Krishna reconhece a força do Dragão e o felicita antes de morrer, é evidente a admiração mútua que eles têm um pelo outro, apesar de suas divergências ideológicas.


 
5º Lugar
Sorento de Sirene
 
O músico cuja melodia rouba mesmo as almas. A bela melodia de sua flauta é o prelúdio da morte.
Sorento de Sirene é o primeiro General Marina a aparecer em Saint Seiya, tanto no animê quanto no mangá. Sendo que no mangá mostrou-se um oponente incrivelmente forte já em sua primeira aparição, tendo derrotado Aldebaran de Touro sem nenhuma dificuldade!
Com a pontuação máxima no quesito Atributos de Armadura ou Assessórios, e com uma das maiores pontuações no quesito Espírito ou Força Cósmica, os ataques de Sorento, pelo menos até onde sabemos, estão na dependência de sua flauta. Além disso, seus golpes não têm um grande alcance, e ele também apresenta pontuação baixa em Técnicas de Punho e Técnicas de Chute, o que é totalmente esperado, já que Sorento não é um oponente físico.
O poder da flauta de Sorento, uma melodia que acalma para aqueles que têm coração puro, mas o martírio para os seres humanos impuros, consiste de dois atos: O primeiro ato, a Sinfonia Final da Morte, afeta diretamente o Sistema Nervoso Central do seu rival, hipnotiza e debilita os 5 sentidos da vítima, chegando inclusive a reduzir o seu cosmo (No mangá é relatado que o cosmo de Aldebaran de Touro foi dividido por 100!); E no segundo ato, o Clímax Sem Fim, Sorento entoa com sua flauta notas mais agudas, e lança uma onda de choque sonora que alcança e agride o oponente de forma física, podendo romper o corpo e mesmo as armaduras de seus oponentes.
Sorento de Sirene é um personagem muito perigoso e poderoso, e ninguém tem dúvidas disso.

 
Sobre Sorento de Sirene
 
Ele é o não-declarado General Marina mais poderoso de todos, na minha opinião. E não é apenas isso. Sorento de Sirene é o personagem mais apelão e forte de todo o mangá!
Isso mesmo, você não leu errado! Sorento é o mais forte! Pelo menos se formos compará-lo com os outros lutadores mais "normais" de todo este animê/mangá.
É impossível evitar o ataque de Sorento de Sirene! Pense nisso, a música de Sorento vai hipnotizar o oponente e destruir o seu cosmo, reduzindo-o a 1%. E seu adversário não precisa escutar a música, já que ela atacará diretamente o seu cérebro, sendo impossível detê-la, mesmo que seus tímpanos sejam destruídos.
Nada pode deter o som da flauta de alcançar o cérebro de seu rival, uma vez que a música de Sorento pode se propagar mesmo no vácuo! Sorento destrói o seu oponente e a Física inteira!
Como enfrentar um oponente desses?
Um ataque que o deixa com 1% de suas forças e não tem defesa!
Sorento poderia ter matado Aldebaran de Touro. Só não o fez porque Athena interferiu. E, da mesma forma, ele poderia ter matado Kanon de Dragão Marinho. Mas este foi poupado graças a Ikki de Fênix que pediu a Sorento para não mata-lo ainda, já que o irmão gêmeo de Saga poderia ajuda-los de alguma forma a derrotarem Poseidon.
É bom também destacar que Sorento de Sirene nunca foi realmente derrotado! Ele apenas foi surpreendido pela grande força de vontade e poder de seu adversário Shun de Andrômeda. Aliás, o irmão mais novo de Ikki era mesmo o único capaz de vencê-lo, uma vez que a sua Tempestade Nebulosa - a técnica mais apelona dos Cavaleiros de Bronze - cresce infinitamente, mesmo que o cosmo de Shun esteja reduzido para 1% (!!!).
Sorento de Sirene entra facilmente para o meu TOP 10 dos personagens mais apelões e difíceis de se vencer dos animês/mangás, junto de Giorno Giovanna (Jojo's Bizarre Adventure) e Medaka Kurokami (Medaka Box).

Sorento, o General encarregado de proteger o pilar do Oceano Atlântico Sul, é o típico personagem cuja aparência frágil e delicada, esconde um grande poder e inteligência em combate.
Muito fiel a Poseidon e dedicado a sua causa, crê na utopia que este último quer instaurar sobre a Terra, mas também está disposto a servir a seu deus sobre qualquer circunstância, inclusive em se tratando de desmascarar os traidores de seu próprio exército, a exemplo de Kanon.
Afetado pelo amor que emana do canto e do cosmo de Athena, compreende que a Terra não merece ser destruída e ajuda Ikki de Fênix em sua batalha. Como disse Shun, Sorento não é uma pessoa má e sua personalidade se reflete na beleza e encanto de sua melodia.
Após a batalha contra Poseidon, Sorento de Sirene tem um final inspirador. Unindo-se a Julian Solo (a reencarnação de Poseidon), segue viagem pelo mundo inteiro para ajudar a todos aqueles que tiveram suas vidas prejudicadas pelas chuvas torrenciais enviadas pelo Deus dos Mares. Sua música agora alegra os corações de todos aqueles que perderam suas famílias.


 
4º Lugar
Kasa de Lymnades
 
Kasa de Lymnades, o bruxo do mar que brinca com os corações de seus oponentes. O mais odiado dos Generais Marinas apresenta uma das mais altas pontuações para Técnicas de Punho, e também apresenta uma surpreendente quantidade de Cosmoenergia, sendo esta a maior dentre os 7 Generais Marinas (!). Porém, seus golpes não apresentam um bom alcance.
Seu cosmo parece ter uma natureza elétrica, com sua única técnica ofensiva, chamada Salamandra Satânica, tendo um poderoso impacto e conduz os seus inimigos a inconsciência. Mas apesar deste aparentar ser um golpe bem efetivo, Kasa precisa se certificar antes de que seu oponente abaixou a guarda. E ele garante isto graças a sua habilidade mais terrível capaz de confundir os corações de seus rivais.
Kasa pode ler os pensamentos de suas vítimas, extraindo informações sobre seu passado, e assim ele pode usar a sua metamorfose, personificando a aparência e a personalidade de uma pessoa que o seu oponente ama. Seus adversários se tornam incapazes de atacar a pessoa que Kasa personifica, por seu carinho e admiração por aquele ente querido. Seus oponentes sempre abaixam a guarda perante aqueles que amam, tornando-se totalmente vulneráveis.
Além disso tudo, o guardião do pilar do Oceano Antártico pode ficar invisível e tem a habilidade de criar ilusões, uma vez que Seiya, Hyoga e Shun perderam-se no santuário de Poseidon e foram atraídos para o pilar protegido por Kasa.
Segundo o Taizen, sua força é digna de um Marina, o que significa que seus ataques físicos não são necessariamente fracos. E Kasa demonstrou uma grande agilidade e rapidez quando se esquivou dos ataques da Corrente de Andrômeda de Shun.

 
Sobre Kasa de Lymnades
 
O Marina Kasa de Lymnades, como já dito, é o mais odiado dos Generais Marinas na opinião de todos os fãs da obra. Não apenas por sua aparente fraqueza, mas também por sua personalidade vil e abjeta.
Mas é dito no mangá, por Sorento e Kanon, que os Cavaleiros de Bronze jamais seriam capazes de vencer Kasa, uma vez que ele é o mais terrível de todos os 7 Generais! E eu concordo com isso.
Calma! Eu entendo o seu ódio pelo personagem. E também concordo que ele seja um bostão lutando, mas a sua técnica de leitura mental e metamorfose é realmente terrível. Com esta habilidade, Kasa de Lymnades pode, sem nenhum exagero, derrotar QUALQUER OPONENTE!
É impossível vencer um adversário que pode fazê-lo ficar completamente desarmado e dominado psicologicamente.
Só mesmo o "Eu sou fodão Ikki de Fênix" para conseguir vencê-lo e adicionar mais uma grande proeza para o seu currículo. Aliás, só mesmo alguém tão filadaputa como Ikki para vencer o Kasa. Alguém que não tem pena de matar o próprio irmão nunca poderia ser enganado pela habilidade apelona de Kasa.
Mas é bom lembrar que antes de morrer, Kasa leu a mente de Ikki mais uma vez, mergulhando no mais profundo do seu subconsciente e descobriu que o Cavaleiro de Fênix tinha guardado, muito bem escondido, no fundo de seu coração (Eu nem sabia que o Ikki tinha um) uma pessoa que ele amava acima de todas as coisas, Esmeralda. Uma garota que representa todo o amor que Ikki ainda é capaz de sentir.
E mesmo Ikki admitiu que se Kasa soubesse da existência de Esmeralda a mais tempo, certamente poderia tê-lo matado!

E aí? Ainda acha Kasa de Lymnades um fracote?

Kasa de Lymnades é o arquétipo de um personagem fraco, porém pérfido e astuto. Cruel, calculista, sarcástico e impiedoso, Kasa é sem dúvida o mais traiçoeiro dos Generais, destacando-se sobre outros por sua aparência e forma de lutar. Ainda que fisicamente limitado, e ostentando uma potência bruta muito inferior a de seus colegas, foi capaz de derrotar quase todos os Cavaleiros de Bronze.
Segundo Masami Kurumada, Kasa é o General Marina mais cruel e sanguinário de todos, pois manipula e tortura os sentimentos de seus inimigos para ataca-los nos momentos em que estão mais vulneráveis. Este personagem recorre a um estilo de luta particularmente covarde que consiste em brincar com a psique de seus adversários.
Sua estratégia compensa largamente a sua fraqueza.
 

 
3º Lugar
Bian de Cavalo Marinho
 
O primeiro General Marina a ser derrotado pelos Cavaleiros de Bronze. Bian de Cavalo Marinho, guardião do pilar do Oceano Pacífico Norte, é um dos Generais mais poderosos do animê/mangá. Seus técnicas ofensivas que recebem algumas das maiores pontuações no Taizen são descritas como semelhantes as de um deus.
Sua técnica mais poderosa, Ventos de Furacão, cria um vórtice de alta pressão que eleva o seu inimigo de forma violenta. Este poder elevou Seiya de Pégaso, das profundidades do Pacífico Norte para a superfície do oceano em questão de segundos! Seiya poderia ter morrido, não fosse a proteção de sua armadura.
Igual ao cavaleiro de prata Misty de Lagarto, Bian é capaz de manipular as correntes de ar e alterar a sua pressão descrevendo círculos com suas mãos na velocidade da luz, a fim de criar um protetor de ar marinho que bloqueia facilmente os ataques de seus oponentes.

 
Sobre Bian de Cavalo Marinho
 
Se Bian de Cavalo Marinho já não é um oponente tão memorável no mangá, no animê a sua situação é ainda pior, graças a saga filler de Asgard.
Mas Bian é o General Marina que realizou o feito de força mais incrível de todo o mangá. Durante sua luta contra Seiya, seu ataque não apenas enviou o Cavaleiro de Pégaso aos limites do Mundo dos Oceanos (Um universo de bolso criado por Poseidon, onde os céus são o fundo dos oceanos de nosso planeta), mas atravessou a barreira que separa as realidades e enviou Seiya através do Oceano Pacífico Norte e até a superfície da Terra!
Não há nenhum outro personagem dentro do animê/mangá de Saint Seiya que tenha feito algo comparável a isso!
Suas altas capacidades defensivas também se mostram quando ele bloqueia o Meteoro de Pégaso com apenas uma mão. Mas para a desgraça de Bian, Seiya já havia enfrentado Misty, e a humidade do ar o permitiu ver os impactos criados na parede de ar do General Marina pelos Meteoros de Pégaso e fez o protagonista entender que aquela é uma técnica que poderia ser superada novamente.
Segundo o Taizen, Bian está no nível de um Cavaleiro de Ouro - assim como os outros Generais Marinas - , mas a sua falta de experiência foi fatal para ele. É dito também que suas técnicas de luta são admiradas inclusive pelos outros Generais Marinas.

Bian é certamente um dos personagens mais insípidos de Saint Seiya. Foi vítima da situação até certo ponto, porque parece evidente que, sem a ajuda dos Cavaleiros de Ouro, que devolveram a vida as armaduras de bronze com o seu sangue, Seiya nunca poderia ter vencido este General, mais poderoso do que se crê realmente. O orgulho e a força são atributos que não faltam a Bian.
Ele teve o azar de enfrentar justamente Seiya, que descobriu como quebrar a sua defesa devido suas habilidades de combate similares às de Misty de Lagarto. Além disso, Bian nunca enfrentou oponentes que não fossem mais fracos do que ele.
Apesar de sua grande força bruta, que está no nível de alguns Cavaleiros de Ouro, falta-lhe uma certa dose de humildade e inteligência.


 
2º Lugar
Kanon de Dragão Marinho
 
O irmão gêmeo de Saga de Gêmeos, e um traidor redimido, este é Kanon de Dragão Marinho, guardião do pilar do Oceano Atlântico Norte e líder dos 7 Generais Marinas.
Apresenta algumas das maiores pontuações nos quesitos Técnicas com Punho, Projeção de Golpes a Distância e Espírito ou Força Cósmica. O que faz dele um dos mais poderosos Generais Marinas e dono de um poder comparável ao de seu irmão Saga.
Como era de se esperar, os gêmeos Kanon e Saga usam técnicas de combate que são idênticas ou ao menos similares. Kanon dispõe de uma técnica própria denominada Triângulo de Ouro (Triângulo das Bermudas), parecido com o Outra Dimensão de Saga, por seu particular efeito de deformar o espaço-tempo (Envia as suas vítimas para outra dimensão, fazendo-as passar por esta célebre localidade do Oceano Atlântico Norte).
A técnica definitiva e mais poderosa de Kanon é a Explosão Galáctica, idêntica a de seu irmão Saga, cuja potência de seu impacto está em escala galáctica, por isso seus efeitos são devastadores.
Também é um grande combatente mental, já que ainda domina o Satã Imperial, um de seus maiores trunfos, que controla a mente de seu oponente.
Muitos podem considerar Kanon como sendo apenas uma versão mais fraca de Saga, mas a verdade é que ele demonstrou um grande poder, similar ao de Saga de Gêmeos, nas palavras do próprio Ikki.

 
Sobre Kanon de Dragão Marinho
 
"Você é foda!" - É provavelmente o que disseram muitos dos Espectros antes de morrerem nas mãos de Kanon na saga de Hades. É impressionante, mas Kanon não aparentava ser tão poderoso quanto o bom e velho Saga quando da sua estreia na saga de Poseidon.
Na saga de Hades, este traidor redimido nos faz esquecer completamente que na saga anterior fora humilhado por Ikki, e completamente derrotado por Sorento, que poderia tê-lo matado não fosse a intromissão do irmão de Shun.
Além de distorcer o espaço-tempo (sua habilidade mais incrível na minha opinião), com o seu cosmo pode criar ilusões, manipular mentes e usar poderes telecinéticos.
Kanon tem poderes muito similares aos de Saga, e Ikki chegou a considerar os gêmeos com poderes equivalentes, embora antes tenha humilhado o General Marina, e prejulgado que ele fosse muito inferior ao guardião da Casa de Gêmeos. Também não podemos ignorar que Kanon foi capaz de criar um labirinto na Casa de Gêmeos também similar ao de Saga.
Mas, apesar de sua maior variedade de técnicas e poderes mentais, não consigo ver Kanon vencendo Krishna. Já, se o oponente deste General fosse Saga de Gêmeos, a história seria completamente diferente.

Kanon é, para mim, o personagem mais marcante dentro de toda obra Saint Seiya.
Um homem de muitas marcas e consumido pelo mal desde sua juventude, estando por trás de todos os acontecimentos que movimentaram a trama do animê/mangá. Primeiro como instigador da rebelião de seu irmão Saga, depois como força motriz da ressurreição de Poseidon e, por último, como um formidável aliado na batalha contra o exército de Hades.
Ao longo da história, somos testemunhas das lições de sobrevivência que o mais novo dos gêmeos recebeu. Se Saga jamais foi vencido, o certo é que nada foi capaz de acabar com Kanon, ele foi dono de seu destino.
Após receber o perdão de Athena, decide unir-se a sua antiga ordem na guerra contra Hades. Demonstrando, igual a seu irmão, sua convicção frente a batalha, tendo Milo de Escorpião como principal juiz, jurado e carrasco de seus atos. O resultado: Sua aceitação como companheiro por parte do Escorpião.

A diferença de Saga, Kanon nunca esteve dividido entre duas personalidades distintas, mas foi ele quem fez seu irmão sucumbir a tentação de sua personalidade maligna que havia permanecido latente até aquele momento.
Enquanto Saga apresenta uma atitude tranquila e pouco pródiga, Kanon tem um caráter mais dinâmico e não se priva de mostrar sua arrogância frente seus inimigos.
Igual ao seu irmão, entretanto, Kanon tem uma força de vontade indomável, característica que o permitiu sobreviver no Cabo Sounion, circunstância que o levou a tornar-se o líder dos Generais Marinas, e futuramente encontrar sua redenção. Esta última parte de sua vida é considerada por Kanon como uma forma de expiação, e se vê claramente no momento de sua morte que ele não via nenhuma razão para continuar vivendo, uma vez que havia redimido seus pecados contra Athena.
Em definitivo, Kanon é um dos personagens mais complexos da obra de Kurumada, no mesmo conceito que seu irmão Saga.


 
1º Lugar
Io de Scylla
 
Em primeiro lugar (?) de acordo com o Taizen temos a encarnação de Scylla que carrega em seu corpo as 6 bestas sagradas.
Com as maiores pontuações em Técnicas de Punho, Técnicas de Chute e Cosmoenergia, e com a pontuação máxima no quesito Atributos de Armadura ou Assessórios, Io de Scylla é o General Marina com as habilidades mais versáteis de todas.
As técnicas de Io são um tanto estranhas. A impressão que temos é que o personagem luta utilizando-se de animais reais que ele solta sobre seu oponente. Mas, analisando bem, é possível determinar que são ataques de cosmo, lançados e canalizados por Io através das distintas peças de sua armadura. Suas Escamas imitam a forma de atacar destas várias criaturas.
Io de Scylla dispõe de 6 técnicas de animais associadas com uma peça ou parte de suas Escamas. E ele parece perder o uso de cada técnica caso a parte correspondente de sua armadura com a qual as executa seja destruída.
Sua técnica mais poderosa e oculta é o Tornado Violento. Quando todas as peças de sua armadura utilizadas para invocar o poder de suas 6 bestas são destruídas, o Marina faz arder o seu cosmo ao máximo para criar um potente tornado, cuja velocidade de rotação impacta seu inimigo em seu centro, fazendo-o girar violentamente em seu interior, submetendo-o a uma pressão gigantesca. Esta técnica é uma referência a um outro mostro mitológico chamado Caríbdis, uma monstruosa divindade aquática que tragava e vomitava as águas três vezes ao dia, provocando um enorme redemoinho que arrastava os barcos e destroçava a tudo o que encontrava.

[Scylla e Caríbdis se encontravam unidos por um passo entre portos, assim como nos descreveu Homero em Odisseia e Eneida (uma epopeia de Virgílio).]

 
Sobre Io de Scylla
 
Um General Marina dos mais difíceis de se defender, ainda mais levando em consideração essa forçada de barra que o Taizen faz, atribuindo ao personagem pontuações tão altas que o colocaram facilmente em primeiro lugar.
De todo modo, Io de Scylla não é nenhum fraco, e também não é um personagem tão sem graça quanto tantos fãs gostam de acusar.
Sim, ele foi o personagem que mais apanhou em todo animê/mangá, e teve a morte mais violenta de toda a obra. Mas vamos analisa-lo melhor.
Io pode criar ilusões de criaturas monstruosas e fantasmagóricas para enganar e atormentar seu inimigo mediante hipnose, a imagem de Scylla, a mulher-besta do Estreito de Messina. Durante seu duelo contra Shun, criou a ilusão de uma bela mulher para que o cavaleiro de Andrômeda abaixasse a sua guarda, então a jovem se transformou em um monstro que o atacou com bestas escondidas na parte de baixo de seu corpo. Apesar das imagens projetadas não serem reais, os ataques sim o foram.
O poder destrutivo de seu Tornado Violento pode ser, até certo ponto, comparado a Tempestade Nebulosa de Shun.

Io é o General encarregado da proteção do pilar do Oceano Pacífico Sul, fiel e devoto a causa de Poseidon. Sua obstinação por defender o pilar é notável.
Mostra inicialmente uma atitude arrogante e denota um excessivo orgulho e confiança em seu poder. Comete o erro de revelar a Shun todas as suas técnicas, dando ao cavaleiro a oportunidade de analisa-las e adaptar-se com sua corrente a cada um de seus ataques.
Entretanto, por trás de todos estes defeitos, Io demonstra ter a verdadeira alma de um guerreiro, com um sentido honorável da palavra. Apesar de derrotado por Shun, preferiu interpor-se entre seu rival e seu pilar para impedir que este fosse destruído pela barra-dupla dourada da armadura de Libra. Não duvida em utilizar o seu corpo, mesmo que em vão, para proteger o pilar que estava sobre seu cuidado, sacrificando sua própria vida para cumprir o seu dever. Por outro lado, demonstra um grande respeito por seus rivais que são capazes de fazer o mesmo.
Io também mostrou-se muito nobre, pois, antes de morrer, adverte e dá conselhos sem rancor àquele que o derrotara acerca do perigo de sua extrema bondade nos combates. Sua ideologia considera que um e outro são guerreiros que cumprem com seu dever e não mantém qualquer rancor pessoal a Shun.

 
Como podem ver, os Generais Marinas, tais como os Cavaleiros de Ouro, apenas cumprem a sua função dentro da história. No caso dos Generais, as funções básicas deles são demonstrar o desenvolvimento dos protagonistas Cavaleiros de Bronze, e servir como um prelúdio para o arco final da história, a saga de Hades.

Com relação a escala de poderes dos Marinas, diferente do que acontece com os Cavaleiros de Ouro, eu sou capaz de me atrever a lançar um veredito.
Seria assim mais ou menos assim (Considerando apenas o "poder bruto" dos Generais, ok):
7º Lugar - Kasa de Lymnades (Habilidade invencível, porém fisicamente fraco); 
6º Lugar - Io de Scylla (Muito versátil e forte); 
5º Lugar - Bian de Cavalo Marinho (Seu golpe é comparável ao de um deus); 
4º Lugar - Isaac de Kraken (É discípulo de Camus de Aquário); 
3º Lugar - Kanon de Dragão Marinho (É irmão gêmeo do Saga, e isso já diz tudo); 
2º Lugar - Krishna de Crysaor (Além da Lança Dourada, sua capacidade espiritual, o Maharoshini, é insuperável sem uma técnica como a Excalibur); 
1º Lugar - Sorento de Sirene (Técnica sem desefa que reduz o cosmo do oponente a 1%).

terça-feira, 29 de agosto de 2017

OS SIMPSONS: QUAL EPISÓDIO MATOU A SÉRIE?

Os Simpsons são talvez a família mais famosa da televisão. A série era conhecida mundialmente por seu humor inteligente, sátira a sociedade e suas referências a cultura pop.
A revista Time a considerou a melhor série de todos os tempos.


Capa da revista Time na década de 90

A série Os Simpsons ganhou 25 prêmios Emmy, 24 prêmios Annie e um prêmio Peabody.
Passou de um simples programa de TV a uma das séries mais influentes da história!
Muitos estarão de acordo (inclusive os criadores) que os melhores episódios de Os Simpsons se encontram entre as temporadas 3 e 8.
Até então a série contava com críticas mais do que favoráveis, e com uma audiência que chegava a mais de 22 milhões de espectadores.
Mas, depois de literalmente conquistar o mundo inteiro, tudo isso veio abaixo.


O dia em que a série morreu

Há muitas razões para explicar porque uma série decai com o passar do tempo.
Grandes séries podem chegar a mediocridade de inúmeras formas.
Alguns dizem que a série morreu na temporada 15, outros que morreu na 20. Mas a verdade é que os problemas começaram a surgir em temporadas mais anteriores.
Tudo começou com o segundo episódio da nona temporada, intitulado "The prince and the pauper", quando é revelado que o personagem Seymour Skinner que conhecemos durante tanto tempo (e que era muito top com a dublagem de André Filho) é um impostor.

 
Este episódio foi como uma apunhalada para o público.
Harry Shearer, que dá a voz a vários dos personagens da série na dublagem original, também se queixou deste episódio:

 
"Isto foi muito mal. Estão tomando algo que uma audiência havia construído por 8 ou 9 anos de interação e jogando no lixo sem nenhuma boa razão, com uma história que foi planejada previamente para outros personagens. Isto é muito arbitrário, gratuito e desrespeitoso para o público."
 Harry Shearer

  
E isto está certo! Em temporadas anteriores, Skinner, apesar de um simples personagem recorrente, passou por um grande desenvolvimento, com muitos momentos comoventes, ganhando a empatia de toda a audiência. Por isso tal episódio foi uma traição para o universo da série.

 
As temporadas posteriores seguiram explorando o mesmo conceito.
Tentando sempre mudar e levar os personagens a situações cada vez mais ridículas. Afastando-se cada vez mais do conceito original da série. O de ser uma sátira.
Agora vamos listar alguns outros dos principais motivos para o declínio da série:

 
Flanderização
 
 
A Flanderiação é um recurso que utilizam os escritores medíocres como um escape fácil quando já não têm mais ideias para um episódio.
A Flanderização consiste em tomar parte da personalidade de um personagem e exagera-la tanto que esta torna-se o único traço de sua personalidade. Portanto os personagens tornam-se mais loucos, estúpidos, e inclusive irritantes.





O grande exemplo, que inclusive é o personagem que dá nome a este recurso, é Ned Flanders.

Eu entendo o Homer. Eu também odeio o Ned Flanders!
Mas revendo os episódios clássicos (que vez ou outra surgem na programação da Fox), devo admitir que ele era um personagem até legalzinho. Havia toda uma história por trás do seu jeito de ser e agir. Era um personagem de muitas facetas, e vez ou outra demonstrava vários traços de sua personalidade.


O Flanders era uma pessoa chata. Mas ele não era um personagem chato. E ele estava longe de ser um personagem raso. Claro, eu sempre fui Time Homer Simpson: "Cala a boca, Flanders!"


Hoje Ned Flanders não passa de um maluco. Ele é agora um fanático religioso que chega ao ponto de parecer louco. Já não bastam aqueles (provavelmente terraplanistas) que somos obrigados a tolerar assediando e comprando brigas com os nossos pacientes no posto de saúde onde trabalho. Ligo a minha televisão na Fox para descansar depois de um dia de trabalho e o que acontece?

Continuando...
 
Homer Simpson, que era um pai trabalhador, mas que alguns vezes cometia estupidezes, tornou-se um grande retardado, alcóolatra, e que se sempre se envolverá em alguma estupidez porque sim.

Ele agora até lembra um certo...
 

Será...?


Recentemente revi este clássico e divertido episódio.
Episódio 8, temporada 9: "Lisa the Skeptic".

Lisa Simpson, que antes era a voz da razão e a mais inteligente da família, passou para uma estúpida liberal e intolerante, que crê que todos devem seguir os seus ideais, em razão de sua "inteligência" superior, sem muitos argumentos convincentes.


Quando criança, eu era apaixonado pela
Lisa Simpson. Vamos lá, me julguem!

Agora ela está tipo aquilo no que se transformou um blogueiro cujo trabalho acompanhava e mesmo me identificava.
O tempo e a falta de sexo podem ser cruéis com algumas pessoas!

 
Bart Simpson, por outro lado, passou de um menino rebelde, porém compreensivo em algumas ocasiões, que fazia brincadeiras/trotes com um certo objetivo e que sempre estavam de acordo com a sua personalidade, para um simples bully tosco sem motivos e que muitas vezes é cruel, inclusive com os seus próprios amigos.

Vejam agora outros exemplos de como a Flanderização está presente em outros seriados recentes:


Bob Esponja Calça Quadrada

O mais clássico exemplo de Flanderização em personagens de um desenho animado (fora Os Simpsons) é com o protagonista de Bob Esponja Calça Quadrada, aquela que já foi uma das animações mais hilárias de todos os tempos, e que surpreendentemente continua a ser produzida deste o fim dos anos 90.
Bob Esponja sempre foi um personagem muito ingênuo, atrapalhado, mas que era muito esperto em algumas situações. E nós muitas vezes sentíamos raiva do seu vizinho Lula Molusco (apesar dele ser um personagem também muito legal) por ele ser tão babaca com a pessoa tão correta e prestativa que era o Bob.
Mas agora você até tem o Lula Molusco como o seu personagem favorito porque nos episódios atuais, o Bob Esponja é um retardado completo (o Patrick então nem se fala). E você acaba sentindo a mesma dor que o Lula Molusco sente quando tenta acompanhar os episódios mais recentes.






Dragon Ball Super
 
Ao contrário de muitas pessoas, eu nunca tive a mínima esperança de que Dragon Ball Super fosse uma animação boa. Mas eu SINCERAMENTE não esperava que ela fosse um animação tão RUIM!
TODOS os personagens de Dragon Ball foram Flanderizados para a produção desta série.

Não considero Dragon Ball Super uma série Dragon Ball (Aliás "Super" nem deveria ser mencionado quando falamos de Dragon Ball).

Como já não existiam mais inimigos fortes o suficiente para representar ameaça a Goku, o que poderia ser feito para produzir uma continuação para a série original?
Além de desconsiderar a cronologia correta, que tal transformar Goku no vilão da história? Sim! Aparentemente essa foi a ideia dos roteiristas, uma vez que na última saga que vem sendo produzida, descobrimos que o universo estaria muito mais seguro sem a existência de Goku.
Além de transformarem o Goku em um psicopata que só pensa em lutar e realizar os seus interesses egoístas, ele virou um completo retardado e - talvez para que alguns fãs possam se identificar melhor - um VIRJÃO!
Os roteiristas dessa merda acharam que seria genial revelar que nosso "herói" nunca beijou na boca, apesar de já ser pai e avô!! Aí já é abusar demais da ingenuidade do personagem. Por que será que eles acharam que isso seria engraçado?


A Flanderização de Son Goku.

Porra! Até o Ash Ketchum já perdeu o BV!
Até o ASH KETCHUM, mano!
É ridículo demais o que fizeram com o Goku!
 


Os Jovens Titãs em Ação

Ok. Eu sei que esta animação é um tipo de paródia. Mas ela serve para que eu possa expressar algumas outras ideias.

Jovens Titãs em Ação é uma série atual que surgiu da Flanderização Extrema de personagens consagrados pelas HQ's e pela série animada original Os Jovens Titãs.
Mas uma coisa curiosa sobre esta animação é que os seus próprios criadores têm a total ciência de que o desenho é muito odiado, principalmente por quem era fã da animação original. E assim os roteiristas fazem questão de provocar os seus Haters.
A imagem acima, por exemplo, é do episódio sobre o dia Primeiro de Abril, cujo  título é "Batman vs Teen Titans: Dark Injustice". O próprio título é uma das inúmeras mentiras contadas durante o dito episódio.
No fim desse episódio, todos os personagens, após uma tragédia que envolveu toda a esquipe, decidem mudar complemente as suas atitudes: O Robin decide deixar de ser um cuzão e se transforma no Asa Noturna, o Mutano e a Ravena começam um relacionamento, o Cyborg decide realizar o seu sonho de entrar para a Liga da Justiça, e por aí vai. E para finalizar com chave-de-ouro, eles anunciam o fim de Os Jovens Titãs em Ação.
Mas em seguida (na imagem acima), os personagens estão literalmente dizendo a audiência: "Fodam-se, seus viadinhos! Vão ter que nos engolir! O Cartoon Network vai renovar nosso contrato para mais temporadas!"

Se bem que eu preferia que anunciassem o fim de Dragon Ball Super.
Esse seriado cômico dos Jovens Titãs não representa ameaça alguma ao legado dos personagens originais. Afinal, não passa de uma sátira, e não uma continuação.
Já Dragon Ball Super é dito ser uma continuação oficial. E SIM, ele vai destruir TODO o legado de Goku e seus amigos!  

Poderia continuar citando mais e mais exemplos, mas acabaria me estendendo muito, e creio que já tenha chegado ao ponto.


 
Os episódios atuais
 
 
Os episódios antigos de Os Simpsons, mais do que simplesmente engraçados, eram inteligentes.
Entretanto agora passaram de críticas inteligentes a sociedade americana, para repetições cada vez mais desgastadas.
Um personagem faz algo estúpido que provoca e envolve outros personagens...
Um episódio com alguma estrela convidada...
Ou algum outro episódio de paródia de filme ou série...
Antes haviam episódios onde se mudava toda a dinâmica, e mostravam uma outra faceta dos personagens, momentos comoventes e outros onde até aprendíamos lições de vida.
Agora os episódios são cada vez mais forçados e sem graça, os personagens estagnaram, e os roteiristas tentam os recursos mais apelativos possíveis para chamar a atenção da audiência.



Sr. Burns contracena com a lenda Leonard Nimoy.
Mesmo que você não seja capaz de entender as
referências, com certeza vai rir muito!
Assim eram os episódios clássicos de Os Simpsons. 

Antes, quando faziam alguma referência a algum filme, mesmo que você sequer tivesse visto o filme, ainda conseguia rir por causa da situação.
Agora a piada está focada em que você seja capaz de entender a referência nela contida, semelhante ao que acontece em outros seriados como...


Os Simpsons, de uma tradicional família americana, passaram a ser um "Family Guy Lite".
Aliás, Family Guy entra para a minha lista das animações que todo mundo ama (ou amava),

mas eu nunca vi a menor graça, nos seus personagens e no seu estranho estilo de humor
(E olha que eu sou fã de South Park!).

Como a saga de Asgard - que todo mundo ama e eu odeio - em Cavaleiros do Zodíaco,

mas isso já é tema para futuras postagens.


Como podem ver, Os Simpsons passaram de uma das melhores séries de todos os tempos para uma série medíocre, sem graça, repetitiva, e com uma constante necessidade de ser como as outras séries da atualidade.
 
Vendo os velhos episódios, depois de muitos anos, continuo rindo, lembrando como aquele desenho me divertia quando criança e agora como adulto.
Além da nostalgia, ainda posso me recordar do quão magnífica foi esta série. Assim só posso desejar que a série algum dia termine... É triste.

domingo, 23 de julho de 2017

GRANDES PERSONAGENS DAS HQ'S: MULHER MARAVILHA

 
Finalmente!
Mulher Maravilha é o grande acerto da DC Comics no cinema! Os atores foram ótimos, a ação foi fenomenal e muito bem dirigida. O filme foi estabelecido na Primeira Guerra Mundial em vez da Segunda Guerra Mundial (como seria de se esperar para quem conhece a fundo a história da maior heroína das histórias em quadrinhos!). E isso merece uma menção especial porque sinto que foi feito um trabalho muito bom para mostrar a realidade desse conflito, apesar da classificação do filme.


Mulher Maravilha é um filme realmente muito bom. Ele está à altura dos ideais da heroína original e entrega uma mensagem positiva e definitiva aos fãs de quadrinhos.
Para que você possa comprovar isso, temos que falar sobre a sua história e aquilo que a inspirou. Então, com isso dito...

O nome real da Mulher Maravilha é Diana, princesa de Themyscira e governante das Amazonas.
Nas histórias em quadrinhos, as Amazonas são uma raça imortal de mulheres guerreiras, mas isto tem uma base real na história do mundo real.

Acredite ou não, as Amazonas são mencionadas em documentos históricos reais. O historiador grego Heródoto afirma que eram uma tribo de mulheres guerreiras que viviam perto do rio Thermodon na Turquia moderna.


E as Amazonas fizeram aparições na mitologia grega. Os dois maiores exemplos foram a rainha amazônica Penthesilea, que lutou e morreu na Ilíada de Homero...

 

Penthesilea

... e sua irmã mais famosa, Hippolyta, a senhora que desistiu de seu cinturão para Hércules (Um dos 12 trabalhos do maior herói grego foi vencer a rainha das Amazonas e tomar o seu cinturão), e ela é a mãe da Mulher Maravilha nas histórias em quadrinhos da DC Comics
.



Connie Nielsen é a rainha Hippolyta no filme

De acordo com as lendas, as Amazonas eram guerreiras ferozes, algo que se traduzia bem nos quadrinhos. Além disso, elas eram conhecidas por cortar o peito esquerdo, a fim de desenhar melhor as suas cordas de arco (!), o que não é algo que se traduziu nos quadrinhos.

Historicamente, elas podem ter sido relacionados a um grupo de pessoas conhecidas como os Citas, que eram um grupo de nômades que viviam perto e ao redor do Mar Negro, e suas mulheres lutavam ao lado dos seus homens.


Os antigos Citas
 
De volta aos quadrinhos, a Mulher Maravilha fez sua primeira aparição em All Star Comics # 8 em outubro de 1941. E embora não tenha sido o primeiro super-herói feminino publicado durante a Era de Ouro dos quadrinhos, ela foi claramente a mais bem-sucedida.


Dentro da Trindade DC Comics, isto é, Superman, Batman e Mulher Maravilha, considero a personagem recentemente vivida no cinema por Gal Gadot como a mais complexa e definitivamente a mais interessante, devido a toda a história que há por trás da criação da personagem.
A Mulher Maravilha é um personagem único dentro dos quadrinhos, e eu diria também inigualável! Acredito que ela poderia ser uma contraparte DC Comics para o Thor da Marvel Comics, porque ambos não são apenas super-heróis, mas referências culturais.


Mulher Maravilha e Thor - heróis e referências culturais.
Além do passado mitológico, os dois compartilham muitos pontos em comum, até
mesmo em suas vulnerabilidades relacionadas a artefatos mágicos que deveriam
amplificar as suas habilidades:
Se amarrada por seu próprio laço mágico, a Mulher Maravilha perde seus poderes.
E Thor, quando fica cerca de 1 minuto longe de seu martelo Mjiolnir, transforma-se em
uma versão mais jovem do doutor House. 
Lógico que isto tudo foi revisto pelos escritores com o passar dos anos.

Curioso também é que, observando de perto o conjunto de poderes originais da Mulher Maravilha, alguns deles não fazem muito sentido.
Para começar, o seu traje não é exatamente o que você chamaria de prático, ou mesmo remotamente remanescente daquilo que os antigos gregos ou citas usavam.


Dentro do seu arsenal de armas estão seus braceletes indestrutíveis que ela usa para desviar balas, e o famoso Laço da Verdade
 que obriga as pessoas a dizerem somente a verdade.
Mas tudo faz muito sentido tudo quando você conhece o homem responsável pela criação da Mulher Maravilha: William Moulton Marston.


William Moulton Marston

Marston foi um psicólogo especialmente ativo durante as décadas de 1920 e 1930.
Além da Mulher Maravilha, ele desenvolveu uma maneira de medir a freqüência cardíaca e a pressão arterial das pessoas, um aspecto importante para os testes modernos do polígrafo.


Exemplo de teste do Polígrafo
 

Steve Trevor e o Laço da Verdade
 
Isso explica o Laço da Verdade da Mulher Maravilha. Mas e os seus braceletes?

 
Vê a senhora da extrema esquerda na imagem acima tomando notas? Vê a pulseira que ela usa no pulso? Esta é Olive Byrne, uma das principais inspirações para a criação da Mulher Maravilha. Ela e Marston estavam envolvidos em uma relação, digamos... profundamente pessoal.
 

Ah, e por sinal, esta na nova imagem acima é Elizabeth, a espoa de William Marston.

Para todos os efeitos, os três tinham uma relação e viviam felizes juntos, e foi assim que a Mulher Maravilha conseguiu suas pulseiras indestrutíveis.


A família Marston em um dia de folga.
Veja a Olive no fundo da foto. De pulseira e tudo.
Além de viverem em um relacionamento poli-amoroso, os Marstons eram grandes fãs de bondage e submissão, o que eu não vou mostrar aqui porque pode ter crianças vendo.

Você não precisa aceitar a minha palavra, apenas dê uma pequena olhada em algumas das imagens dos primeiros quadrinhos da Mulher Maravilha:

 
 
 
Controverso?
 
Falando em controvérsia, os diálogos do filme da Mulher Maravilha são muito interessantes. E há uma cena em particular que me chamou muito a atenção no cinema.
 
O momento em questão é a viagem de Diana e Steve partindo de Themyscira para Londres, onde os dois têm um dos mais engraçados diálogos do filme sobre aparências e sexo.
Diana não consegue entender por que Steve está desconfortável por dormir ao lado dela. E quando ele assume que ela não deve entender nada sobre os desejos e os prazeres da carne, ela rebate que leu todos os 12 volumes dos Tratados de Cleo sobre o corpo e o prazer.
 
 
Diana afirma a Steve que, enquanto os homens são essenciais para a procriação, eles são dispensáveis para coisas como o prazer. 
Zoeiras à parte, juro que após esta cena sussurrei dentro do cinema "doutor William Marston". Está claro que o filme abordou, ainda que superficialmente, muitas das ideias por ele defendidas. Marston era um homem da ciência, mas também um feminista. Na verdade, ele não era apenas um feminista, ele acreditava que as mulheres eram inerentemente superiores aos homens de todas as maneiras.

É sutil, mas se você olhar de perto o seu trabalho:
 
 
 
 
Apesar destes ideais progressivos e avançados que a Mulher Maravilha estabeleceu para a indústria de quadrinhos no início dos anos 40, acredito que William Marston seria odiado pelo feminismo moderno (Já ouviu falar do boicote feminista ao filme?).
Martson antes de um psicólogo boêmio e polígamo com fetiche por bondage, acreditava na igualdade de sexos. Mas eu não compreendo bem como pensa o movimento feminista de nossa época.
 
O feminismo de fato surgiu durante a Segunda Guerra Mundial. Esta guerra foi um conflito de homens e mulheres. As mulheres passaram a ocupar funções que antes eram consideradas masculinas, como engenheiras, supervisoras de produção e motoristas de caminhão, por exemplo, e também se alistaram nas forças armadas.
 
A entrada maciça de mulheres no mercado de trabalho, seja para suprir o vazio deixado pelos homens que estavam no front de batalha, seja para preencher uma demanda surgida com a eclosão da guerra, causaria um grande impacto social, durante e depois do evento. Não demorou muito para que as lideranças dos países envolvidos no conflito percebessem que teriam que convocar as mulheres para a guerra. Inicialmente, elas foram conclamadas a se voluntariarem, mas, com o avanço dos combates, passaram a ser recrutadas. Se na Primeira Guerra Mundial elas estiveram em fábricas e foram enfermeiras, agora fabricavam e até pilotavam aviões.
 
 
A Mulher Maravilha era literalmente uma embaixadora enviada para um lugar que ela chama de "Mundo dos Homens" para convencer as pessoas de que as mulheres podem ser tão poderosas quanto os homens, e também para salvá-los de se destruírem na guerra.
 
 
E a personagem encarna perfeitamente o ideal de como a super-heroína deveria ser: Forte como Hércules e bela como Afrodite. Ideal este também claramente defendido pelo doutor Martson. 

William Marston morreu em 1947, e a Mulher Maravilha permaneceu uma das maiores super-heroínas da DC Comics. E ela permaneceu um ícone popular, chegando inclusive a estrelar um programa de TV bastante popular na década de 70, estrelado por Lynda Carter.



Lynda Carter
 
Mas foi com renovação da personagem, no final dos anos 80, juntamente com o resto do universo DC, que a editora percebeu o quão importante, e comercializável, a Mulher Maravilha é para eles. 


A Mulher Maravilha de George Perez (década de 1980)

A super-heroína foi acomodada por excelência dentro da mitologia do universo DC, fazendo parte da importante Trindade.
 

A Trindade DC Comics
 
Até então a adaptação mais famosa para a personagem esteve presente na excelente série de desenhos animados da Liga da Justiça. Acredito que grande parte do público atual da internet tem aquele desenho como a imagem definitiva da personagem.
Mas e hoje? O filme Mulher Maravilha atendeu ao legado e à mensagem da personagem original e é um aditamento valioso para sua longa carreira?

Não pensei em escrever a crítica completa do filme da Mulher Maravilha (que aliás já deixei bem claro que GOSTEI MUITO), porque desisti de escrever críticas sobre filmes já que existem blogueiros que fazem isso muito melhor do que eu jamais poderia. Então deixo crítica para quem é especialista.

O que quero escrever sobre o filme são dois pontos muito importantes:

O primeiro ponto é sobre a filosofia por trás da história deste filme.
Durante toda a sua vida, a Mulher Maravilha escutava que o culpado por todas as mazelas do mundo era o deus da guerra Ares. Isso quer dizer que o homem nasce bom, mas Ares o corrompe.


Oi?
 
Sendo assim, o objetivo da Mulher Maravilha era muito simples: Ela deveria apenas matar Ares e assim os homens deixariam de se matar e o mundo teria paz novamente.
Então a Mulher Maravilha descobre que o general alemão Ludendorff é Ares.


Sou Ludendorff e, sim, eu existi!

Eles se enfrentam e ela o mata. Mas o que acontece depois disso?
A guerra não acaba. O que poderia significar que Ares não passava de um mito, como assim especulou Steve Trevor.
Assim a Mulher Maravilha compreende que o mundo não é feito de pessoas boas e más. Mas pessoas com ideias diferentes. O que foi um momento único para o longa metragem. Porém, poucos minutos depois, o verdadeiro Ares aparece. Uma aparição desnecessária na minha opinião, já que o filme fazia questão de passar uma mensagem de que não existia um mal encarnado chamado Ares.
Com a aparição do deus da guerra, o propósito da narrativa acabou se perdendo. Agora, se eu dissesse que não gostei da luta final entre a heroína e o vilão, eu estaria mentindo. Foi uma cena de ação muito boa!


O segundo ponto que preciso destacar é a atuação de Gal Gadot.
Em sua primeira aparição, no filme Batman vs Superman, ela foi considerada a melhor do elenco, e isso aconteceu pelo simples fato de que ninguém esperava nada dela. Mas é verdade, Gal Gadot foi a única coisa boa daquele filme (Minhas desculpas para quem gostou).

Agora, em Mulher Maravilha, posso dizer que Gal Gadot estava muito mais a vontade com a sua personagem. E a sua atuação foi fenomenal.
A Mulher Maravilha é a personagem mais distinta do restante da Trindade DC Comics. Diferente de Batman e Superman, a Mulher Maravilha não tem obrigação de seguir códigos morais. Ela é uma super-heroína que mata (Maxwell Lord que o diga!), afinal ela é uma guerreira Amazona.

E, nos momentos finais do filme, Ares tenta influenciar a Mulher Maravilha a matar a sua inimiga a Doutora Veneno, porque segundo o deus da guerra os humanos são todos iguais e, ambos como deuses, tem o direito de matar estas falhas da criação.
Então a Mulher Maravilha simplesmente se nega a fazer aquilo. Porque os humanos não são simplesmente tudo isso que o Ares disse. Eles são muito mais do que isso. E ela acredita no amor.

A Mulher Maravilha então assume o seu papel como protetora de toda a humanidade.
Gal Gadot realmente foi capaz de encarnar todos os ideias da Mulher Maravilha. Eu aprovo.
 
E agora? Após este grande acerto, o que universo cinematográfico da DC Comics ainda reserva para nós?