segunda-feira, 21 de novembro de 2016

DESENHOS ANIMADOS ANTIGOS E POLÍTICA: RACISMO E DIVERTIMENTO PATRIÓTICO?


Já devem ter percebido. Sou um grande fã de animações antigas. É fantástico assistir um desenho animado da década de 1940, e, com nossos entendimentos atuais, analisar a sua mensagem e compreender o contexto político o qual ele retrata. Sou obcecado por desenhos animados da Segunda Guerra Mundial. E há muita coisa hilariante e, principalmente, bizarra.

O Tooncast agora também trás uma série de desenhos clássicos que muitos de vocês certamente assistiram nos idos dos anos 90 e início dos anos 2000.


DRAGON BALL!

Lembrando de como eram aqueles tempos para a animação, eu costumo sempre dizer: Se Steven Universo é a realização dos sonhos molhados dos SJW's, Dragon Ball clássico seria a realização dos seus mais profundos pesadelos. (E olha que Steven Universo é legal pacas)

Nos anos 90, era comum vermos tiranos e déspotas aparecerem em programas de TV com fácil acesso ao público infantil.

Saddam Hussein antes de ir ao Inferno, em Animaniacs
"IRAQUIANOS E IRAQUIANAS..." - Leia na
voz do Márcio "Batman" Seixas

Os criadores de Hey Arnold!, Animaniacs, e Histeria (Alguém gostava dessa bosta?), não tiveram nenhum problema para apresentar figuras como Hitler, Hussein e Stalin em seus desenhos animados.

Animaniacs foi uma das melhores animações feitas até hoje. O desenho era inteligentíssimo, hilário e, de certa forma, didático. Era também conhecido por assumir riscos fazendo o uso de um humor mais saliente e adulto.

Reparou como sexualizavam uma personagem infantil como a Dot Warner, e ainda faziam piadas de forte conotação sexual com a personagem Olá Enfermeira, uma garota ridicularmente inteligente, mas que era reconhecida apenas por suas incríveis curvas?

Olá Enfermeira!

O humor dos Animaniacs era um humor crítico. Os Animaniacs mandaram Saddam Hussein para o inferno antes mesmo de South Park ter a mesma ideia.

Foi depois disso que ele se tornou parceiro
sexual do diabo?

E o Pink e o Cérebro? Há um episódio fenomenal da dupla em que o Cérebro tem a ideia de criar um pobre país fictício chamado Cerebrânia, e pedir dinheiro emprestado aos Estados Unidos, na época governado pelo democrata Bill Clinton, para ter os recursos necessários para a realização de seus planos de dominação mundial.

"E se descobrirem que Cerebrânia não existe, Cérebro?", pergunta o Pink.

Então o Cérebro dispara: "Americanos são péssimos em geografia!"

Pink: "Você não pode desistir da presidência,
Cérebro! Se você não for o presidente, quem
vai comandar a nação? Quem vai inspirar
a juventude? Quem vai assediar as
estagiárias na Casa Branca?"

Até George W. Bush aparece neste episódio como Secretário de Segurança Nacional da época. Assim, como todos os outros norte-americanos, ele não conseguia encontrar Cerebrânia no mapa-múndi, o que o deixava chateado porque, afinal, eles precisavam entrar em guerra contra qualquer país que fosse para recuperarem a sua popularidade.

Freakazoid é hoje reconhecido como mais um cult, também criado por Steven Spielberg, tal como os Animaniacs. Uma sátira sobre super-heróis, mas que também passava críticas políticas interessantes.

No episódio "Nerdator", um alien paródia do Predator, sequestra todos os nerds da Terra para sugar o seu conhecimento. Bill Gates e o próprio Spielberg estão entre os raptados, além de vários políticos conhecidos.

Dexter: "Mas políticos são corruptos."

Nerdator: "É por isso que são espertos."

Freakazoid, Bill e Hillary Clinton aguardam a chegada dos
extraterrestres.

Os Favoritos da MGM é um dos melhores programas do Tooncast. É uma coletânea maravilhosa de clássicos animados deste estúdio que datam principalmente das décadas de 30 e 40.
Mas há muitos episódios que foram deletados por conterem piadas infames demais para os padrões atuais do público.
Existem episódios que ainda estão no ar, mas tiveram algumas de suas cenas cortadas.

Certa vez estava vendo uma animação muito simpática e engraçada de 1948, assinada pelo genial Tex Avery, chamada "Little Tinker". Há uma cena em que o personagem principal, um gambazinho, tenta conquistar as coelhinhas da floresta fazendo um cosplay do Frank Sinatra (Ele deve ter sido o padrão de beleza masculina da época, porque é impressionante a quantidade de personagens de desenhos animados que o imitavam para o mesmo fim).

                                              

A cena que foi censurada é um rápido momento em que aparece uma coelhinha fazendo "black face".

A cena, na minha opinião, não chega a ser ofensiva.

Mas veja bem, isso era muito comum em programas de TV, no teatro e mesmo nos desenhos animados daquele tempo. E como no Brasil não houve uma cultura de segregação racial ao estilo dos Estados Unidos, algo assim passava desapercebido por nós.

Mas não discutirem sobre os desenhos animados "bonitinhos" já citados. A seguir teremos uma coletânea de achados sobre o contexto político e social das animações da década de 1940. Só para sermos claros, esta não é uma postagem racista, mas é difícil ficar "sério" no contexto de personagens de desenhos animados. Você foi avisado.


Ducktators

Desenhos animados e política foram uma mistura um tanto estranha. Para compreender um desenho animado há ainda que se levar em conta a cultura que o produziu. O Japão é conhecido por levar o meio animado um pouco mais a sério. Os japoneses têm produzido animação para adultos por décadas. E eu não estou apenas falando sobre garotas japonesas sendo violadas por demônios ou o brucutu Kenshiro explodindo seus inimigos com socos, e espalhando seus intestinos e massa encefálica pelas ruas em seu mundo pós-apocalíptico.

Os americanos em determinado momento tentaram conservar a animação como algo voltado para crianças, mas é claro que isso mudaria a partir do estranho movimento da década de 1970, que produziu obras-primas como Fritz the Cat. E os desenhos animados direcionados para um público exclusivamente adulto estão mais comuns do que nunca aqui no ocidente.

Nos EUA é agora consenso que a animação, em sua maior parte, é um produto para crianças e adolescentes, e que os adultos podem desfrutar. No entanto, é divertido ver como a animação poderia ser utilizada décadas atrás. É muito fácil assistir uma animação clássica dos anos 30, 40, 50 e entender o que estava acontecendo culturalmente naquele tempo.
 
"You're a Sap, Mr. Jap" - Desenho Popeye
 
Desenhos animados incrivelmente assustadores e politicamente incorretos. A Warner Brothers e a Disney deram a sua contribuição durante a Segunda Guerra Mundial. Na década de 1940, a população norte-americana era de cerca de 120 milhões. 90 milhões dessas pessoas iam ao cinema todas as semanas. Então, é claro que o governo dos Estados Unidos não perderia a oportunidade de divulgar a sua mensagem (Muitas das pessoas que dirigiam os estúdios de cinema eram pelo menos coronéis no exército dos EUA, então isso não é uma grande surpresa).
 
Qual era a mensagem deles? Nem eu, nem você (pelo menos eu suponho) éramos nascidos para termos visto o Pato Donald saudando Hitler ou o Pernalonga lançando bombas sobre os japoneses. É tão confuso e ERRADO, mas é impossível não rir de tanta bizarrice.

No que diabos eles estavam pensando?
 
 
Chuck Jones chamava a Segunda Guerra Mundial de "o último grande drama", porque havia um lado bom e um lado que era inquestionavelmente mau.

Qualquer livro de história de nível universitário estabelece a Alemanha e o Japão daquele tempo como países completamente profanos e liderados por demônios. Porém, a Alemanha naquele período estava tão paralisada pelas reparações da Primeira Guerra Mundial que permanecia em um mau lugar no mundo, e o ataque japonês a Pearl Harbor fora uma retaliação à ocupação forçada do Japão pelos americanos há quarenta anos atrás.

Com tantas pessoas indo ao cinema, o Exército dos Estados Unidos começou a despejar muito dinheiro em estúdios de animação para transmitir a sua mensagem. O objetivo destes desenhos era mostrar às pessoas como todos os alemães e japoneses eram ruins e fazer com que os americanos dessem seu dinheiro e/ou se juntassem ao Exército. É fato. Há mensagens explícitas ao final de cada desenho.

É realmente assustador assistir  o Pato Donald passear por uma selva com uma faca esperando para esfaquear a primeira pessoa japonesa que ele encontra-se. Eu acho que no contexto não é tão ruim. Mas se eu fosse uma criança japonesa naquele tempo, eu poderia ter pesadelos com Pato Donald me caçando.
 
 
Walt Disney e sua empresa foram contratados para pintar alguns de seus personagens nas laterais de bombardeiros americanos durante a guerra.

Eu acho que qualquer colocação de um produto é um bom negócio, mas eu realmente me pergunto se colocá-lo em máquinas construídas para matar era realmente uma boa ideia.

Já posso imaginar os sobreviventes dos bombardeamentos americanos eternamente apavorados com o rosto do Mickey Mouse, já que foi isso o que apareceu no céu quando a morte veio (É quase engraçado...).
 
"Jungle Drums" - Superman Original Cartoon
 
Eu sei que não é nenhuma surpresa descobrir que os desenhos animados do Superman estavam cheios de propaganda. Afinal o personagem foi projetado praticamente com "o americano mais poderoso", mas eu não estava esperando ver os nazistas, vestindo-se como membros do KKK, liderando uma tribo de povos africanos com ossos atravessados em seus narizes, e armados com lanças indo de encontro às Forças Aliadas (é muito bizarro, e sem sentido, mas piora...).

Tudo isto acontece em "Jungle Drums", episódio de Superman Original Cartoon - uma de minhas animações clássicas favoritas, e que inspirou muitas outras fantásticas animações dos anos 90 como Batman Animated Series - , e ainda temos o Superman salvando Lois Lane de ser queimada na estaca, uma cena que faz um tipo de paródia com os grupos de ódio suprematistas. Uau. Isso está um pouco bagunçado.
 
Revista Action Comics.
SUPERMAN says: "YOU CAN SLAP A JAP".
 
Aparentemente, estes desenhos animados e quadrinhos não foram destinados a crianças, uma vez que isso seria errado. Somente HITLER usa propaganda em crianças, certo?


Certo?
 
 
Jungle Jitters
 
Embora não seja o foco principal deste artigo, você realmente deve conhecer a maneira como pessoas negras são horrivelmente retratadas em velhos desenhos animados. Devo dizer afro-americanos? Eu nem sei mais como escrever, já que tecnicamente, estou falando de "africanos-africanos".

Os afro-americanos e africanos-africanos não foram apenas mal representados em desenhos, ainda foram retratados como preguiçosos e selvagens. A maioria dos "anti-black" cartoons foram feitos na década de 1930, antes da guerra.
Os infames Amos & Andy cartoons são desta época, e também outras coisas estranhas como "Jungle Jitters" da Warner Brothers. Curiosamente nestes desenhos da Warner, o único personagem negro que fala recebe um sotaque japonês terrível (Uma minoria falando como outra minoria?).
 
Coal Black &  the Seven Dwarves
 
Datam também desta época os ainda mais infames Censured 11, os desenhos animados da Warner considerados tão terrivelmente ofensivos que foram completamente banidos (mas que ainda permanecem facilmente acessíveis no Youtube). 

Um exemplo destes desenhos banidos é "Coal Black &  the Seven Dwarves", uma explícita paródia do clássico infantil Branca de Neve e os Sete Anões. Os personagens afro-americanos são retratados da forma mais ofensiva possível. A história conta com um "herói", o Príncipe Charmin, que é um cafetão, e ainda sete anões negros que também estão servindo nas Forças Armadas. Mas a única pessoa que acabam enfrentando é uma mulher negra e gorda, a bruxa vilã da história.

Uma opinião. Em nosso país há esses babões dos Estados Unidos. Que batem palmas para tudo o que os norte-americanos fazem. Preferiam que tivéssemos uma cultura como a deles. Com o mesmo passado de segregação do negro e o massacre do povo indígena?

Algumas pessoas admiram mesmo o racismo enraizado naquela cultura. Eu mesmo já escutei: "Os americanos ao menos não escondem que são racistas, diferente dos brasileiros."
 
Compreendam o que eu quis dizer com esta opinião. Nenhuma cultura está protegida de críticas. Ninguém é perfeito. Ninguém é imune a críticas. E como estamos no tempos politicamente corretos, deixem-me então me explicar: Critiquei uma parte da cultura, não o norte-americano como um todo! Ok?
 
As noções do que é ser politicamente correto podem mudar de época para época, e de pessoa para pessoa. Se eu criticar algo que você não gosta, tudo bem ser politicamente incorreto. Mas se for para criticar algo que você gosta... É mais ou menos assim.
 
SNAFU
 
Continuando. A Warner Brothers foi paga pelo Exército dos EUA para fazer uma porção de cartoons educacionais/inspiradores para os soldados assistirem durante a guerra. Eles foram chamados "Snafu" (que é um termo militar para Situation Normal: All Fucked Up... Sutil?). E apresentavam um soldado pateta de mesmo nome.

Chuck Jones fez alguns deles, e todos eles foram escritos por Ted Geisel, também conhecido como Dr. Seuss. A influência é realmente óbvia, quase todos os diálogos contém rimas. Os assuntos da animação variavam de "certifique-se de usar calças enquanto estiver no pântano da malária", "cuidar de sua arma" e, claro, "não diga a sua prostituta quaisquer segredos militares."

Uma vez que não eram para consumo público, estes desenhos contém pequenas cenas de nudez feminina. Essa piada da prostituta que você acabou de ler... bem,  eu não estava brincando.

 
Nesta imagem acima, Snafu está a ponto de descobrir que os Nazistas utilizam bonecas sexuais explosivas para confundir as tropas americanas.
 
 
Embora esteja apenas implícito que há uma prostituta envolvida, aqui nesta outra cena, Snafu está atrás de um arbusto com alguma mulher no meio da noite (dizendo segredos militares). Ah, mulequi!
 
 
As tropas americanas deveriam ficar excitadas com esse desenho. A imagem acima é da namorada de Snafu lendo uma carta.

Peitos!

E falando de peitos...
 
 
"Agent Microphone Tits" tem sido a agente secreta mais legal de todas. "Com licença, mas você poderia falar um pouco mais claramente em meus mamilos?"

O mais interessante é porque o governo decidiu usar desenhos animados para explicar a coisa toda para as suas tropas. O governo sentiu (como confirmado por Chuck Jones e outros) que o nível de educação das tropas determinou que desenhos animados seriam a melhor maneira de abordá-los com informações importantes.
 
Conclusão: Se você é burro, então deixe um personagem de desenho animado ensina-lo como salvar a própria vida.
 
 
Havia uma porção de desenhos animados na época sobre como os americanos deveriam ajudar o Exército, mesmo que eles não fossem soldados. Invariavelmente, isso iria mostrar desde pessoas idosas construindo tanques a donas de casa economizando óleo para cozinhar.

O Patolino foi um dos personagens que ajudou o esforço de guerra. E aparentemente foi a chave para a vitória dos Aliados quando Hitler retaliava enviando um BODE NAZISTA para comer todo o lixo aliado que Patolino estava protegendo. 

Os personagens têm visões políticas que correspondem ao país de onde eles são, uma vez que tanto o Patolino quanto o "bode nazista" têm pontos de vista bastante fortes. A lógica dos desenhos animados é tão engraçada às vezes.

Oh, em outro episódio hilariante, o Patolino termina acertando uma martelada na cabeça de Hitler. 
 
 
Agora vamos falar sobre o nosso querido Marinheiro Popeye, imortalizado para os brasileiros na dublagem única de Orlando Drummond.
Você não precisa ficar surpreso pelo Popeye ter sido usado para propaganda porque, bem, ele é um marinheiro. Ele já está na marinha, então faz sentido.

Os dois desenhos que preciso citar foram intitulados: "You're a Sap, Mr. Jap" e "Seeing Red, White, & Blue". O primeiro é bastante direto, com Popeye confrontando sozinho a Marinha Japonesa. No outro temos Brutus tentando fugir do serviço militar, enquanto Popeye, que é um oficial da marinha, tenta arrastá-lo para servir o seu país durante a guerra

Pobre Brutus, parece que seu rival de longa data decidiu se livrar dele enviando-o para a guerra. Não é assim tão ruim, já que este pode ser o único desenho animado onde Popeye e Brutus comem espinafre e se ajudam mutuamente (e se juntam ao Exército no final). Claro, eles lutam contra espiões japoneses. Neste desenho, há uma completa desumanização do homem japonês. Os japoneses são retratados como macacos dentuços, tão diminutos que podem facilmente se disfarçarem como crianças. Esta não será a última vez que vemos esse tipo de representação de um povo.

Mussolini e Hitler

Curiosa é a visão que as pessoas têm de um monstro como foi Hitler.
Na política, independente das suas convicção, existem aqueles que seguem a máxima em um debate: "Se você não gosta do que eu gosta, então você é um Hitler." É assim principalmente com aqueles com um discurso mais pedante.

Marinheiros homossexuais?

Aqui também é um bom lugar para salientar que as piadas sobre as pessoas da Marinha sendo gays já tem oficialmente pelo menos uns 70 anos. Assim, muitos desses desenhos mostram marinheiros sendo bem afetados. É realmente muito estranho quando os marinheiros (excluindo o Popeye) acabam colocando maquiagem e flertando uns aos outros, dentre outras coisas.

Tex Avery fez um desenho animado chamado "Blitz Wolf", que era inteligente e satirizava a questão do Nazismo com a história infantil dos Três Porquinhos. "Este porquinho construiu sua casa de palha... Este porquinho construiu sua casa de pau... e este porquinho construiu sua casa de GUERRA!!!". Os porquinhos representavam os países tolos o bastante para não se preocuparem com Hitler até que fosse tarde demais. A coisa toda é realmente sobre a Alemanha, mas isso não impede o desenho de também provocar os japoneses.
 
Repare na placa: No Dogs Japs Allowed

A Disney produziu desenhos muito interessantes durante a guerra. Estes incluem curtas onde o Pato Donald ensina sobre como economizar os seus impostos, uma vez que eles ajudam a apoiar a guerra, em vez de gastar o seu dinheiro com prostitutas (sério). Agora, obviamente, eu preciso saber quantas "crianças" requeriam suas declarações de imposto de renda durante os anos 40.

 
Já naquele tempo "desenhos animados não eram apenas para crianças", e isso está mais do que claro agora (Quantas crianças gastavam seu dinheiro com prostitutas?). Considerando-se a lógica por trás de Snafu, cartoons = educação para adultos.

Há também uma animação chamada "In the Führer's Face", onde o Pato Donald é um nazista trabalhando em uma fábrica fazendo munições para Hitler. Não é tão bizarro, e é satírico, mas há algumas coisas estranhas nele.

In the Führer's Face

Este curta satiriza a produção em massa das fábricas na época em que a Alemanha esteve sobre o domínio do partido nazista, o que leva o Pato Donald a enlouquecer no final. Mas curiosamente a produção em massa é um também dos valores mais prezados pelos norte-americanos.

Há também um desenho animado chamado "Commando Duck", onde Donald tem que ir atrás das linhas inimigas e destruir um aeroporto. Ele acaba fazendo isso em um acidente com um balão de água gigante, mas não antes de ouvirmos um personagem japonês dizer "tradição japonesa diz para atirar só pelas costas". Enfim, Donald termina o desenho escrevendo uma carta sobre como ele encontrou o inimigo e o venceu. Eu acho que se as pessoas normais podem matar durante tempos de guerra, eu não deveria me surpreender quando os personagens da Disney começarem a fazer ataques táticos.

Education for Death
 
Para ser justo, a maior parte do que a Disney fez foi de muita alta qualidade. Como uma animação que descrevia como as crianças eram doutrinadas na escola para serem bons nazistas que não pensavam por si mesmos (Education for Death).

Naturalmente, há uma certa hipocrisia aqui porque afinal você está vendo uma propaganda feita para crianças sobre a propaganda alemã em desenhos animados feitos para crianças.

Curiosamente, uma das práticas que eram consideradas fascistas na época da Alemanha nazista mencionada neste desenho animado ainda está em uso hoje. Se você tem um filho na Alemanha, você só pode nomeá-lo com um nome alemão. É mais como um tipo de tradição, mais recentemente explicada pelo fato de que a Alemanha não está se reproduzindo com a rapidez necessária e precisa manter a sua herança.
 
Sempre fui um grande fã do Pernalonga, e é por isso que algumas das coisas que ele faz na guerra me chocam demais. Eu vou discutir apenas um de seus desenhos feitos durante a guerra, mas qual deles?
 
 
Poderia falar sobre o desenho animado onde ele finge ser Hitler...
 
 
 ... e Stalin.
 
 
Eu poderia falar sobre o desenho animado onde ele canta sobre a compra de Ações de Defesa, enquanto faz um black face.

Mas eu não vou falar sobre isso.
 
Bugs Bunny Nips the Nips
 
Há um desenho chamado "Bugs Bunny Nips the Nips" onde o Pernalonga alegremente entrega sorvetes explosivos para uma ilha inteira de soldados japoneses. O Pernalonga está de folga em uma ilha tropical e um soldado japonês aparece e começa a atirar nele. Vejam como a Warner Brothers foi muito desrespeitosa para com o povo japonês, retratando-os como anões com dentes ruins. Aliás como todos os desenhos da época fizeram. 

E o Pernalonga pinta uma bandeira japonesa em uma árvore para cada japonês que ele mata durante o episódio. Aparentemente, uma vez que provou sangue, a sua luxúria não para, e ele procede atacando cada pessoa de descendência japonesa que vê. Isto não é um desenho normal.


Em um momento hilariante, o Pernalonga enfrenta um lutador de sumo (e tem que se vestir como uma gueixa para vencê-lo) e sim, o mata como qualquer bom soldado faria. A ilha de repente se tornou completamente invadida e centenas de soldados japoneses aparecem (todos, claro, parecem os mesmos, e você não é capaz notar a diferença que há entre eles). 

O Pernalonga tem uma idéia brilhante sobre como acabar com todos eles de uma vez para alcançar a maior pontuação de todos os tempos: Vestido como um sorveteiro, ele distribui para os soldados granadas disfarçadas de sorvete.

A lição disso tudo: Nunca atire no Pernalonga. Ele vai caçar todo mundo que você já conheceu e amou e fazê-los explodir.
 
"Here you go, Slant Eyes!"
Bizarro. O Pernalonga está usando insultos racistas. Quando soube que o Pernalonga fazia isso, acho que perdi uma pequena parte da minha infância.

Eu não sei mais o que dizer, exceto que o desenho termina com o Pernalonga registrando todas as suas matanças. Não acredita em mim?


Cada uma dessas bandeiras pintadas representa um soldado japonês morto.
 
Pernalonga, o que o diabos aconteceu com você? Fizeram testes de LSD ou algo assim? Onde está o personagem que eu conheço e amo? A guerra fez isso com você? Uma coisa é explodir o Eufrazino. Todos nós sabemos que ele volta. Mas registrar as mortes dos soldados japoneses que você chamou por nomes racistas antes de alimentá-los com sorvete carregado com TNT é nada menos do que...

Só resta apelar para um pouco da Filosofia Alborghettiana.
 
                                               

A Alemanha teve maus líderes...


 
Mas espere um segundo.

Por que nesses desenhos eles descrevem o povo japonês como sendo o mal até o último homem, enquanto que quando se trata da Alemanha eles só retratam os líderes do país como sendo idiotas lunáticos?

É por que você não poderia demonizar as pessoas de ascendência germânica, por que isso incluiria uma grande parcela da população da América?

Eu realmente não deveria estar fazendo essas perguntas.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

TOP COMBATES CLÁSSICOS DOS ANIMÊS (NA TV)

 
Lembram-se de que houve uma era em que a TV aberta estava completamente tomada pelas animações japonesas em sua programação?
Mesmo com o fim da Rede Manchete, diversas outras emissoras investiram no tipo de atração.
E aquilo que estava mais do que presente no conteúdo destes animês eram as artes marciais. O sangue, a violência e as incríveis cenas de ação eram uma constante, para a nossa alegria e para o desespero de nossos pais e dos pseudo-psicólogos. 
O estilo Battle Shonen conquistou o público brasileiro e acabou tomando conta do imaginário popular como um sinônimo de animação japonesa. O lado positivo disso foi a popularização de um estilo fácil de conquistar fãs. O lado negativo foi a construção de uma mentalidade de que a animação japonesa se resume ao estilo pancadaria total, que já anda um tanto saturado.
Mesmo o estilo Battle Shonen é muito mais do que pancadaria. Seu conteúdo transmite valores impressionantes como o esforço para a superação de desafios aparentemente impossíveis, e o apoio da amizade para obter a vitória, além é claro da honestidade, respeito pelos mais velhos e a perseverança.
 
                                

Com a TV aberta trazendo de volta recentemente dois grandes clássicos como Dragon Ball Z e Cavaleiros do Zodíaco, o sentimento de nostalgia retorna mais forte do que nunca.
 
Segue agora uma pequena lista com alguns dos combates mais marcantes presentes em animês que marcaram a infância e a juventude de qualquer fã-Br. Muitos de vocês certamente se tornaram fãs daquela série, ou daquele personagem em especial, assistindo estes combates na TV:
 
 


                       

Digiescolhidos vs Apocalymon

Quando o infantil não é tão infantil assim!
Arrisco a dizer que a série original de Digimon foi um dos melhores animês a passar na TV aberta em nosso país. Personagens cativantes, vilões apavorantes e um enredo vibrante. Enfim, Digimon Tri resgata o elenco original do animê e trás aquela sensação de uma série de grande qualidade como era o clássico.
E esta batalha final dos Digiescolhidos contra Apocalymon foi uma das melhores finalizações já feitas para um animê.

Digimon entra para a lista apesar de nem sequer ser um animê envolvendo artes marciais, devido a qualidade deste combate final.
Afinal, como diria Kojiro Hyuga: "Futebol também é uma arte marcial!"
 
 
 


                        

Ken vs Vega/Balrog

Street Fighter II Victory, uma de minhas séries favoritas. Pude revê-la recentemente pela TV Brasil, e é tão boa quanto eu me lembrava.
A luta do Vega (ou Balrog), em sua versão mais violenta, insana e perturbada, contra Ken Masters é de longe a melhor de todas. Literalmente um massacre, uma carnificina que acompanhávamos todas as manhãs de Domingo ainda nos anos 90. Grandes tempos, sem a censura e o policiamento dos Politicamente Corretos.
 
 
 
 

                            

Kurama vs Shiguri

Todos os combates de Kurama eram memoráveis em Yu Yu Hakusho. Mas tenho como favorita a sua última batalha na série, que foi contra Shiguri no Torneio das Trevas, com movimentos incríveis e muita violência.
A última saga costuma ser a menos querida pelos fãs na maioria de qualquer animê de luta, mas considero a última saga de Yu Yu hakusho tão boa quanto as demais. Shiguri, Yomi e (é claro) Mukuro estão entre os melhores personagens criados por Yoshihiro Togashi.





                       

Chun-li vs Vega/Balrog

E por falar em movimentos incríveis e muita violência, Chun-Li é uma das razões que fazem o filme feito com o elenco de personagens do game Super Street Fighter II tão fantástico.
A deusa chinesa das artes marciais apanha MUITO, mas coloca o lutador espanhol taradão literalmente contra a parede.
 
E a cena do banho, heim...




 
                       

Yusuke Urameshi vs Shinobu Sensui

Sensui é um dos vilões mais complexos de todos os animês, ele não é simplesmente pirado ou demente, e a sua luta, embora um tanto demorada, foi particularmente épica.
Yusuke confronta o ex-detetive sobrenatural que é definitivamente o seu total oposto. O confronto entre os dois é o momento mais sangue nos olhos de toda a série. Brutal!
 
 
 
 

                       

Kenshin Himura vs Makoto Shishio

Kenshin Himura, o Retalhador Battsousai, o melhor espadachim da ficção, confrontando Makoto Shihshio, o vilão mais fodão de todos os animês. Não tinha como não ser um dos melhores combates animados em toda a história!
Pena que nesta época a censura já pegava pesado na TV aberta, e perdemos algumas das sequências mais incríveis deste combate.



                 
                       

Kid Músculo vs Kevin Máscara

Músculo Total (ou Kinnikuman Nisei) foi um animê que conquistou muitos fãs no Brasil. E isso mesmo com a série já vindo totalmente censurada e porcamente adaptada pelos norte-americanos (sempre eles!).
A batalha em questão é a última que foi adaptada para a animação, que foi o Kid Músculo contra o seu maior rival Kevin Máscara.
Uma das lutas mais empolgantes que tive a oportunidade de acompanhar. Simplesmente de tirar o fôlego. Esta luta tem um detalhe que muitos poderiam considerar como problema: foi muito longa, somando cerca de sete episódios!
Sete episódios que não me cansaram, porque a luta é realmente fantástica. E você não tinha certeza de quem seria o vencedor.
Para a adaptação em animê, a luta teve um final diferente do mangá, no qual Kevin Máscara terminava como vencedor.
Certamente optaram por tornar Kid Músculo o campeão no animê por ser ele o protagonista, uma vez que este seria o último capítulo da série animada. O medo de arriscar fugir dos clichês.   





                        

Ryu e Ken vs M. Bison/Vega

Meu filme de luta animado favorito!
Uma das lutas mais incríveis com os meus personagens de videogames favoritos!
Você certamente o viu na TV aberta (em alguma Band da vida). A nossa Dublagem é fenomenal. Jonas Melo nasceu para dublar o M. Bison (ou Vega). Mas a versão japonesa tem uma trilha sonora emocionante e uma interpretação particularmente foda para os personagens.
Acredito que a original vença!
 
 
 
 

                                     

Shiryu de Dragão vs Dragão Negro
 
Shiryu é o melhor cavaleiro de bronze. As lutas dele são as mais memoráveis de todas.
Shiryu vs Algol de Perseu, Shiryu vs Shura de Capricórnio, Shiryu vs Krishna de Crysaor. Estes combates não tem comparação dentro da série.
Mas aquele que mais me marcou, e foi responsável por me tornar fã do personagem (e talvez também a maioria das pessoas que até hoje curtem o Shiryu) foi o combate contra o Dragão Negro, ainda no início da série.
Trilha sonora, violência, movimentos de artes marciais dignos de um Bruce Lee. Não tem como não se emocionar com o sacrifício do mais santo dos santos de bronze.





  

Son Goku vs Piccolo

Revendo a série original de Dragon Ball através do Tooncast, vejo o quão Akira Toriyama estava inspirado naquela época.
Este combate final entre Goku e Piccolo é uma das pancadarias mais alucinantes que já tive o prazer de acompanhar.
Em entrevistas, Akira Toriyama afirmou que esta é a sua luta preferida. E de fato há muitas características que tornam Goku vs Piccolo o melhor combate de toda a história de Dragon Ball: movimentos impressionantes, nada de transformações, e muito sangue e gore!  

                     

E a finalização do combate foi especialmente emocionante. Goku vinha de duas derrotas nas finais dos últimos Torneios de Artes Marciais dos quais participou, e enfrentando a reencarnação do Rei dos Demônios, ele realiza o seu sonho de ser o campeão do torneio, e ainda salva a Terra.






    

Hors Concours
Son Goku vs Freeza

Quando a duração absurda de uma batalha poderia significar defeito, mas acaba por torná-la memorável...
O maior meme dos animês de luta merece o lugar de maior destaque da lista. Não apenas pela luta em si, mas também por todos os significados que ela carrega. Uma verdadeira Space Opera!




     


Menção Honrosa
Kenshin Himura vs Shogo Amakusa

Uma menção honrosa para Kenshin vs Amakusa.
Esta é, na minha humilde opinião, a melhor saga filler já feita para um animê.
Esta saga consegue o que raramente, ou talvez nunca, uma saga filler seria capaz de fazer.
Ela trás um enredo bem bacana, um vilão extraordinário que é Shogo Amakusa, baseado em uma das figuras históricas mais interessantes de todas (Amakusa Shiro Tokisada), e ainda preserva os personagens, salvando-os de descaracterizações.
 
Por que então apenas uma menção honrosa?
Simplesmente porque Kenshin Himura vs Shogo Amakusa é a melhor luta que você nunca viu!
Ou você se lembra da luta com tantos detalhes graças aos inúmeros cortes da censura na TV aberta?