sábado, 19 de julho de 2014

DICA DE FILME: GOLGO 13, THE PROFESSIONAL

 
"Golgo 13: The Professional" é um filme de longa duração de 1983 adaptado do mangá de Takao Saito "Golgo 13", que começou a ser publicado em 1969, permanecendo em produção até os dias de hoje. E precisa de muita testosterona, o que este mangá tem de sobra, para ficar tanto tempo no mercado e ainda conseguir agradar tanto à crítica.
O filme, dirigido por Osamu Dezaki, foi o primeiro longa animado de "Golgo 13" e seguiu um par de adaptações para o cinema de ação produzidos na década de 1970. Aqui no ocidente, o grande público não chegou ainda a conhecer estas aventuras animadas no cinema, mas pode ter sido introduzido à franquia por meio de dois títulos de "Golgo 13" para os games NES ou através dos relativamente poucos capítulos de mangá que foram publicados inclusive no Brasil.


Golgo 13 é o codinome do protagonista, cujo verdadeiro nome, nacionalidade e idade são todos desconhecidos. O pseudônimo é uma referência para Gólgota, o local onde se acredita que Jesus Cristo fora crucificado; uma referência também representada na sequência de abertura do filme, que retrata um esqueleto usando uma coroa de espinhos. Mas essas referências bíblicas não são um reflexo do homem real em si mesmo. Golgo 13 (também conhecido pelo pseudônimo Duke Togo) é um assassino profissional e um atirador altamente qualificado para isso, capaz de atingir alvos que poucos acreditariam ser possível. Um homem de poucas palavras, raramente apresenta fortes indícios de sentir algum tipo de emoção, mas as mulheres o consideram irresistivelmente atraente. Na cama, ele é um poço de energia sexual, capaz de conduzir as mulheres às alturas da paixão, permanecendo exteriormente individual, com um nível quase passivo de esforço aparente. Resumindo, o cara literalmente pega todas as muié! Deve ser o descendente de Itto Ogami, o "Lobo Solitário".

 
Em essência, Golgo 13 é a personificação do poder na fantasia masculina. Sombrio, misterioso, e sempre em movimento, suas aventuras se alternam entre colocar balas nas cabeças dos seus alvos e mulheres bonitas no auge do orgasmo. E tudo o que leva a contratá-lo é a quantidade certa de dinheiro e a disposição para explicar a ele, em pessoa, porque o cliente quer o alvo desejado morto.
Se tudo isso faz Golgo 13 soar como menos do que um homem simpático, é verdade que ele não é realmente um cara legal. Ele é um pistoleiro, acima de tudo. Mas a sua profissão também o leva a cruzar caminhos rotineiramente obscuros da sociedade. E os que ele mata no geral são as pessoas horríveis que merecem o que recebem, o que geralmente é uma bala no meio dos olhos.
Neste filme, Golgo 13 é contratado para assassinar Richard Dawson, o filho do barão do petróleo Leonard Dawson. É durante uma festa de comemoração do aniversário do filho que Leonard introduz formalmente Richard como o próximo CEO de seu vasto império de negócios, quando Golgo 13 puxa o gatilho, matando Richard diante dos olhos de seu pai.
Apesar de Leonard inicialmente ser uma figura simpática, um homem cujo orgulho e alegria foram tomados dele em um instante, não é justificável a sua necessidade de vingança e os métodos utilizados para tal, que vão tornando-o um vilão perigoso e um perseguidor implacável. Usando sua vasta riqueza e conexões, ele compra até mesmo os serviços de figuras sinistras da CIA, FBI e até do Pentágono, a fim de usar seus recursos para seguir e encontrar Golgo 13 até os confins da Terra. Ele pede ajuda para localizar alguns tipos de homens cruéis, assassinos psicopatas verdadeiramente perigosos, para aceitarem a sua oferta e encontrar e assassinar Golgo 13; primeiro o demente e bizarro Big Snake e, posteriormente, os condenados à morte, conhecidos apenas como Ouro e Prata.
Mas os esforços de Leonard não param por aí. A fim de satisfazer o demente Big Snake e garantir que o mesmo esteja sob seu controle, ele consente em permitir que o assassino estupre sua nora e viúva de Richard, Laura. Ele até mesmo força sua jovem neta Emily a submeter-se a um treinamento com armas de fogo em reclusão, programando-a como assassina. Com seu filho morto, Leonard se torna um monstro disposto a destruir o que sobrou de sua família por causa da sua vingança. Ou melhor, o monstro que ele sempre foi só vem à tona; está implícito que ele já tinha sangue em suas mãos, tendo anteriormente planejava crimes hediondos ao longo da sua vida.
Há uma questão importante que você pode estar pensando agora, enquanto você lê esta postagem. Por que Leonard vem passando por todo esse esforço para matar Golgo 13, quando ele era apenas o atirador? Por que ele não colocou nenhum de seus esforços para encontrar a pessoa que o contratou? É uma questão mais do que razoável feita diretamente a ele pela angustiada Laura. E embora ele evite ao máximo o inquérito, é a questão que é respondida da forma mais satisfatória quando o filme atinge a sua conclusão.

 
Neste jogo de gato e rato, onde o caçador se torna caça, Golgo 13 precisa evitar a sua captura e morte em cada turno de ação incrível e alucinante que é o que não falta neste filme. Mesmo quando ele foge das autoridades que controlam cada movimento seu, o assassino continua o seu trabalho. Como quando em uma missão para matar um criminoso de guerra nazista, Golgo 13 enganou a todos os seus inimigos, escolhendo atirar de um ponto onde ninguém imaginaria que ele iria escolher, através de um edifício no caminho do quarto onde encontrava-se o seu alvo.
A ação é muito bem animada, com os mesmos impressionantes desenhos de personagens detalhados vistos no mangá de Takao Saito. Do estoicismo de Golgo 13, as mulheres bonitas e a luxúria, a descida de Leonard em sua verdadeira loucura e até mesmo a sua frieza para com a lavagem cerebral que sua neta sofria são detalhadas de forma maravilhosamente artística. No entanto, há momentos em que o filme mostra a sua idade. Em particular, uma sequência perto do fim que retrata helicópteros de ataque atirando em um arranha-céu que não fora desenhada de forma tradicional, mas sim feita no simplista CG de 1983. É uma transição estranha e totalmente desnecessária, mas a sequência é breve e bem coreografada, apesar das limitações, e não faz mal à ação do núcleo.
"Golgo 13: The Professional" é um filme sombrio, violento, mas é aquele que adapta com grande fidelidade seu material de origem, talvez das melhores maneiras que poderia. Como um conto de sexo e violência, "Golgo 13" é um passeio sangrento, divertido e pontuado com uma saraivada de balas.
 
Um filmaço e mais uma vez provando que as melhores animações e histórias foram aquelas produzidas e contadas no passado.

sábado, 5 de julho de 2014

DICA DE FILME: SOL VERMELHO

 
A dica de filme para hoje é um belíssimo clássico de 1971. Já se perguntou o que aconteceria se juntássemos um pistoleiro de "Sete homens e um destino" com um dos guerreiros espadachins de "Os Sete Samurais"? O resultado disso é "Sol vermelho", um notável western resultado de um trabalho multinacional incluindo o astro americano de ação Charles Bronson, o japonês Toshiro Mifune, o francês Alain Delon e a beleza suíça Ursula Andress.
Filmado na Espanha com uma equipe mista, francesa e italiana, e dirigido pelo diretor britânico Terence Young, que alcançara o estrelato após estar por trás das câmeras nos dois primeiros filmes de James Bond, "Dr. No" e "From Russia With Love".
"Sol vermelho" é essencialmente uma história com um clássico grupo de "heróis" enfrentando criminosos no empoeirado velho oeste norte-americano, reunindo o pistoleiro carismático e resistente Link (Bronson) com Kuroda (Mifune), um samurai estóico a serviço do primeiro embaixador do Japão nos Estados Unidos. E, aliás, a parceria forçada entre os dois rende ótimos momentos, esses caras são demais (Se você olhar bem no meu blog perceberá que sou um grande fã desses dois). A dupla têm a tarefa de recuperar um presente do imperador do Japão para o presidente dos EUA, uma exótica espada cerimonial roubada pelo ex-parceiro e braço direito de Link, o francês bom-vivant Gauche (Delon). Link e Kuroda, eventualmente, encontram o caminho para Gauche através de sua amante Cristina (Andress), uma prostituta oportunista conivente só para si mesma. Pelo clímax do filme, os quatro terão que ficar brevemente juntos, a fim de sobreviver a um ataque de uma tribo de guerreiros Comanches. Depois disso... todas as apostas estão como para quem vai matar quem primeiro.
Não sei dizer exatamente se "Sol vermelho" foi um filme de grande sucesso para a época em que fora feito e é muito difícil encontrar um DVD com uma qualidade decente. Mas posso afirmar com absoluta certeza que é um produto muito agradável, especialmente para aqueles que, como eu, já se consideram fãs do gênero. Ele apela também para o sempre interessante embate entre a filosofia e a cultura dos orientais contra os ocidentais na forma de um choque cultural com uma crueza como aquela vista na série de David Carradine, "Kung-Fu", e os fãs de filmes de ação são muito bem servidos com a combinação improvável de espadas de samurai e tiroteios na mesma arena de sangue.
Vale a pena assistir. "Sol vermelho" é um western definitivamente diferente, não é todo dia que você pode ver Charles Bronson (o cara mais macho do ocidente) e Toshiro Mifune (o cara mais macho do oriente) combatendo bandidos com tiros e espadadas, em cenas muito bem filmadas por Young e belissimamente acompanhadas pela música de Maurice Jarre. E também não é todo dia que você vê Alain Delon como um vilão filho da puta e Ursula Andress pelada.
Contempla-se, assim, quase todos os elementos característicos de um faroeste tipicamente norte-americano (os heróis rechaçando um ataque de índios) e de um western spaghetti (o fora-da-lei gente boa em busca do parceiro traíra), com a bem-vinda adição do elemento oriental (o samurai).
Um filme inesquecível.