terça-feira, 12 de janeiro de 2016

THOR: LIÇÕES COM O MAIOR SUPER-HERÓI MARVEL

 
Os super-heróis Marvel possuem histórias de fundo mais "realistas" se comparados aos super-heróis DC, sendo estes, em suas origens mitológicas, verdadeiros deuses entre os homens. Os personagens da Marvel, essencialmente, tiveram vidas muito difíceis antes de se tornarem grandes heróis, como o Capitão América, o Homem-Aranha e o Demolidor. Com seus dramas pessoais, estes heróis são reconhecidos como personagens mais humanos, de forma que o leitor pode mais facilmente se simpatizar e escolher o seu favorito.
Assim como temos o atual carro-chefe da DC Comics,  um herói que não se enquadra com os seus irmãos de combate ao crime (que seria o Batman, vindo de uma história de angústia e trauma diferentes de qualquer um de seus companheiros da Liga da Justiça), a Marvel tem Thor, um herói que simplesmente não se encaixa com os objetivos declarados da Marvel em criar personagens mais humanos. Thor, no fim das contas, nem é humano e, como resultado, as tentativas de humaniza-lo resultaram nas piores histórias. Vejam o caso do Super-Homem na DC, as suas melhores histórias são justamente aquelas que exploram e brincam com o seu conceito de "homem perfeito".
 
A fase Stan Lee e Jack Kirby para Thor foi sem dúvidas uma das melhores, com um grande discurso sobre valores, nobreza, coragem, humildade e força de caráter. Tudo isto feito para Thor que é de fato um deus, e ainda o personagem que mais ensinou sobre humanidade.
 
Desfrute de uma história bem feita e muito bem trabalhada, e busque compreender as respostas dadas pelos personagens, as quais nunca poderíamos encontrar de um modo devidamente articulado:


Na mini-série Thor: Céus e Terra, maravilhosamente escrita por Paul Jenkins e desenhada por Pascual Alixe, em sua terceira edição, somos confrontados com esta situação comovente.

 
No início desta história, Thor vai visitar um antigo amigo. Não é alguém que o deus do trovão tenha conhecido durante a Segunda Guerra Mundial ou algum velho e já aposentado companheiro de batalhas com quem tenha entrado em conflito no passado, mas apenas um homem comum.
Thor entra pela janela do quarto daquele pobre e cansado homem. Quando você é uma divindade vinking com milhares de anos de idade e vive em uma dimensão mágica, é muito simples se teletransportar para qualquer lugar de dentro de uma história.
Mas esse homem velho fez o impossível: ele deixou perplexo a um deus.
 

Tudo começa depois de uma grande luta entre os Vingadores e os elfos negros de Svartalfheim em Nova York. Após a batalha vencida, Thor caminha triunfante de volta para sua casa através da Bifrost.
"Quem é você?", é a pergunta feita por aquele homem assim que pela primeira vez encontrou-se com o deus do trovão. Ele era um típico cidadão nova-iorquino e também um típico padre da paróquia local.

 
Que conceito fantástico! Super-heróis são pessoas capazes, com os poderes e as origens mais insanas possíveis, mas aceitamos que eles vivem em um mundo muito parecido com o nosso. Não deveríamos nos surpreender que uma a religião organizada como o cristianismo ainda desempenhe um papel importante na vida de muitos cidadãos de Nova York.


 
No entanto, todos eles acabaram de testemunhar esta divindade não-cristã esmagar monstros extradimensionais com um martelo. Como poderia o padre explicar isso para os fiéis da sua igreja ainda se mantendo firme às suas próprias crenças religiosas?
 
 
Thor prometeu ao seu amigo que retornaria dentro de um ano com a resposta para a sua pergunta. Mas ele não cumpriu a promessa. O padre esperou no ano seguinte, no mesmo dia, na mesma hora e no mesmo local do primeiro encontro, mas Thor não retornou.

Thor não mentiu, nem esqueceu o que prometera. Ele nunca foi capaz de retirar de cada pensamento seu a pergunta do mortal que o deixou sem respostas. O seu processo de pensamento permanece honesto e simples em sua essência.

 
Mas agora pode ser um pouco tarde para Thor ajudar o seu amigo. O sacerdote encontra-se em seu leito de morte quatro anos após a sua primeira conversa, assim Thor só poderia chegar a uma conclusão.

 
Thor é o meu super-herói Marvel favorito (Até uso a camiseta dele!). Eu percebo que é difícil para alguns leitores simpatizarem ou se relacionarem com Thor. Ele é praticamente invencível, se ele morre, vai ser ressuscitado quase imediatamente. Além disso, tem uma força de nível Hulk, mas sem a responsabilidade moral que faz outros personagens como o Super-Homem tão amados.
Mesmo que eu não possa explicar em detalhes, acredito que a resposta de Thor explica melhor do que qualquer outra coisa sobre o porquê deste deus do trovão realmente definir o que é um super-herói.
 



Por mais clichê que pareça, são as falhas que definem os nossos heróis, não os triunfos. Neste único momento, Thor mostrou uma humanidade que pode não ter sido muito vista no seu passado. As lutas pessoais são o que criam personagens tridimensionais, podemos torcer e crescer junto deles. Super-heróis não proclamam sua nacionalidade, raça ou sexo, eles são acima de tudo ideais.

E quando entendemos as questões de Thor sobre sua identidade e propósito, ele é objetivamente um personagem muito melhor.
E, caramba, ele tem que martelo legal!

2 comentários: