quinta-feira, 26 de outubro de 2017

JACK KIRBY: ESTILO E INFLUÊNCIAS


No mundo dos autores de quadrinhos, há alguns poucos que podem ser considerados gênios. Autores que definiram as HQ's em um nível tão alto, que todos aqueles que vieram após eles, olharam para o seu trabalho para buscar inspiração.
Citando alguns nomes, temos Alex Toth, Stan Lee, Steve Ditko, Julius Shwartz, Carl Barks, Robert Crumb, Bob Kane, Bill Finger, Will Eisner, John Buscema, Harvey Kurtzman, John Romita Sr., Wally Wood, Milton Caniff, Doug Wildey, Harold Foster, Frank Miller, Alan Moore, Barry Windsor-Smith, Frank Ferzetta, Jim Steranko, Joe Kubert, Neal Adams e, o mais influente de todos os tempos, Jack Kirby.

Estamos no ano do centenário do lendário Jack Kirby (1917-1994), e ainda temos a chegada de Thor Ragnarok aos cinemas. Tudo isto foi o que me inspirou a preparar esta postagem. Uma vez que os mundos e cenários apresentados neste filme estão fortemente inspirados no trabalho de Jack Kirby. Embora, infelizmente esta deva ser mais uma incursão do deus do trovão no cinema que não me agradará (Mudar a história e certos elementos das histórias em quadrinhos do material de origem para uma adaptação cinematográfica é até perdoável, mas, no caso de Thor, certas mudanças afetam diretamente a essência da própria mitologia nórdica na qual o personagem foi inspirado, e isso sim é um atentado imperdoável!).

Considerado "O Rei", Jack Kirby levou as histórias heroicas para um nível totalmente novo. Ele estabeleceu um estilo que se tornou absolutamente onipresente. Com sua incomparável criatividade, imaginação e dinamismo, Kirby nos levou para lugares que nunca pensamos serem possíveis, que nunca pensamos que pudessem existir.


New Gods (A morte dos antigos deuses):
A imaginação de Jack Kirby era capaz de nos levar aos lugares mais incríveis.

A arte de Kirby era mais baseada em originalidade, enquanto a arte de muitos outros considerados também gênios era mais baseada no refinamento. Por isso compará-lo com outros grandes criadores de seu tempo não seria uma das tarefas mais fáceis. Falar sobre o estilo de Kirby não é apenas falar sobre a sua arte, mas também sobre o quanto ela influenciou e tornou-se única, tornando estes super-heróis fantasiados realmente "Supers!"  
Com isso dito, escrevo sobre seu trabalho dividindo-o analiticamente em sete categorias específicas: Contagem de histórias, Versatilidade, Dinamismo, Simplicidade, Imaginação, Produção e Influência.


 
Contagem de histórias

Esta é a categoria que separa um artista e um artista de quadrinhos. Para ser um grande artista de quadrinhos, você deve adaptar o roteiro do escritor e interpretá-lo através de arte e painéis (conhecida como arte sequencial). Quando se trata de contar uma história com arte, Jack Kirby é simplesmente o melhor dos melhores. Ele teve um olhar muito parecido com o de um diretor de cinema, mostrando exatamente o que é necessário no painel de quadrinhos para estimular o olhar e o subconsciente do leitor. Kirby foi extremamente influente em sua capacidade de contar uma história.


Quarteto Fantástico #51 (1966)

O Incrível Hulk #1 (1962)
 
 
 
Versatilidade
 
Kirby foi completamente versátil, e não há muito que ele não tenha sido capaz de desenhar. Teve tal talento que, na maioria das vezes, ele criou suas próprias interpretações de um assunto em particular. Foi um artista mais visceral que trazia impressões das coisas por conta própria. Acredite ou não, Kirby foi muito imaginativo, muito criativo e muito dinâmico!
Entretanto, em essência, sua versatilidade carecia de um detalhismo devido ao seu estilo, especialmente quando comparado a Alex Toth. Quando um desenho exigia algo mais concreto, Toth foi melhor devido ao seu estilo. A habilidade de Kirby era muito mais adequada para um livro de quadrinhos.



 
 Dinamismo

O dinamismo é bem marcado pelo exagero na arte de quadrinhos, e Kirby conseguiu aprimorar essa habilidade mais do que qualquer artista antes ou depois. Embora essa habilidade possa ter impedido o seu destaque na categoria acima (Versatilidade), é aqui que ele mais se destaca. Todos os painéis que Kirby desenhava (mesmo que os personagens estivessem de pé ou sentados) gritavam com eletricidade e movimento. Era quase como se a própria página não pudesse conter a arte devido ao poder desenfreado que ela irradiava. Foi com essa habilidade que Kirby fez seus heróis e batalhas de quadrinhos.



Tales of suspense #95 (1964)
 

Journey into Mystery #112 (1965)
 

Tales to Astonish #82 (1966)
 
 
 
Simplicidade
 
Onde Kirby se destaca por ser o artista mais dinâmico de todos, ser sutil não foi um dos seus pontos fortes. A simplicidade de vários criadores foi o que mudou toda a indústria da animação, porque não havia necessidade de um trabalho tão meticuloso. Kirby nunca foi simples, sua arte e perspectivas estavam em diferentes códigos de área. Às vezes, havia muita coisa acontecendo em um quadro e era difícil para o leitor captar tudo o que estava dentro dele, e eles tiveram que dar um passo atrás e olhar para ele por alguns minutos para identificar toda a informação nele contida. Como já dito em um exemplo acima, a arte de Toth era mais adequada para uma animação que projetou 90% dos cartoons de ação e aventura de Hanna-Barbera nos anos 60 e 70.
 

Kamandi #20

Etrigan, the Demon

Deve-se notar que, embora não tenham trabalhado juntos, Alex Toth redesenhou os personagens de Jack Kirby para animação de Hanna-Barbera do Quarteto Fantástico (1967). Este cartoon foi posteriormente adicionado ao World of Super Adventure (1980) de Hanna-Barbera. Esta foi uma combinação do "pacote" reexecutado de diferentes séries de desenhos animados de ação e aventura de Hanna-Barbera que originalmente funcionavam de 1966 a 1970. E Toth foi o responsável por projetar quase todos eles. Muitos de vocês devem conhecer, ou ao menos terem ouvido falar de Homem-Pássaro e o Galaxy Trio, Space Ghost e Dino Boy, O Quarteto Fantástico, Moby Dick e Mighty Mightor, Herculoids, Shazzan e Frankenstein Jr. e Os Impossíveis.



  
Imaginação

Kirby foi um mestre da criação e seus conceitos que estavam acima de qualquer artista da história dos quadrinhos. Embora Kirby tenha criado alguns conceitos lendários para a DC Comics na década de 1970, Stan Lee era o cara que utilizava a imaginação de Kirby melhor do que qualquer outra pessoa já fez na década de 1960. Lee planejava uma pequena ideia na cabeça de Kirby e depois deixava ele correr com ela, e os resultados eram sempre extraordinários! Juntos, eles trouxeram vida nova ao campo moribundo dos quadrinhos e criaram personagens e ideias que não só salvaram a indústria, mas não puderam ser acompanhadas por nenhuma outra equipe criativa na história do meio!
Jack Kirby criou quase todo o visual do Universo Marvel e ninguém pode competir com isso.
 


Quarteto Fantástico #51 (1966)
 


The Almighty (1990)
 
 

Produção

Muitos artistas, embora construindo longas e ilustres carreiras, passando por muitos gêneros, tinham o hábito de nunca se estabelecerem em nenhum título.
Jack Kirby, por outro lado, produziu um grandioso número de lendários de títulos, sendo os mais famosos do seu período ininterrupto de 102 números no Quarteto Fantástico com Stan Lee. Ele era um desenhista incansável que geralmente começava a desenhar das 12 horas até às 4 da manhã, sete dias por semana sem feriados e, incrivelmente, nunca perdeu um prazo!
Durante a década de 1940, ele era conhecido por desenhar incríveis 5 páginas por dia!!! Kirby foi tão insanamente prolífico que ele foi o único artista dentro de 3 décadas que era o melhor homem em seu campo e capaz de se reinventar a cada vez.
A forma como ele desenhou o Capitão América na década de 1940 foi completamente diferente da forma como desenhou os quadrinhos de romance e monstros na década de 1950. Então, na década de 1960, na Marvel, quando ele criou o Quarteto Fantástico, ele teve uma verdadeira compulsão criativa que produziu o seu melhor trabalho!  E ainda mais incrível, se você olhar para o seu trabalho de 1961 a 1966, é totalmente diferente e melhor a cada vez. E isso são 30 anos de quando ele se tornou um artista de quadrinhos! Sua criatividade era intensa e sem precedentes.


Jack Kirby foi tão incrivelmente prolífico que continuou sendo o melhor artista em quadrinhos por 3 décadas consecutivas (1940-1960) e reinventou consistentemente cada vez mais e melhorando.
 

 
Influência

Kirby foi o artista que colocou a arte de quadrinhos na estratosfera. E com os super-heróis, maiores do que nunca hoje em dia, com filmes e produtos disponíveis nas lojas, você ainda pode ver a influência de Kirby em tudo.
O único outro homem em quem eu posso pensar que pode ser comparado a Jack Kirby em influência no mundo dos quadrinhos e super-heróis é o seu parceiro Stan Lee.

Tales of Asgard

 
Seu estilo, habilidades e imaginação ilimitada foram perfeitamente construídos. Seus conceitos e ideias são tão incrivelmente populares que Hollywood está fazendo BILHÕES hoje!
Ele não pode ser comparado com qualquer outro autor de histórias quadrinhos porque sua pura produção criativa resultou em tantos personagens duradouros.
Stan Lee apelidou Jack Kirby de "The King of Comics" na década de 1960, mas também estava dizendo aos leitores a verdade. Mesmo alguns dos melhores criadores do campo foram para Kirby para obter conselhos e dicas de como fazer um verdadeiro comic ou layout de super-herói. Lee foi o primeiro a dizer aos artistas para dar-lhe ação, perspectiva e impacto, "a maneira como Kirby faz isso".


Hoje falamos de Jack Kirby como um dos verdadeiros mestres da indústria de quadrinhos. Seu trabalho continua a inspirar outros autores até hoje. E realmente não importa qual ícone você mais gosta, precisamos sempre honrar seu legado e agradece-los por todos os anos em que eles nos entretiveram. E isso não é apenas para Jack Kirby, isso é para todos os autores, muitos que constantemente não são reconhecidos pelas massas.
 

A velha prancheta de desenhos, onde universos são criados.
 
Precisamos lembrar e agradecer aqueles que abriram a estrada para todos hoje. Especialmente os autores da década de 1930 ao longo da década de 1950, que trabalharam longas horas com anonimato completo por pouco ou nenhum dinheiro.



Jack Kirby criou porque precisava, ele tinha a necessidade de criar.
Em suas próprias palavras, trabalhava com quadrinhos para "make a living".
Por sua família, ele criou alguns dos maiores personagens de todos os tempos!
 
A maioria deles foi desaprovada por trabalhar neste campo "embaraçoso" - no sentido de que somente os apreciadores deste tipo de mídia e entretenimento, isto é, nós, valorizamos e veneramos seu trabalho - e, no entanto, eles fizeram magia em cada página para fazer as crianças sorrirem e dar-lhes a capacidade de sonhar. 

Kirby e estes tantos outros autores são os nossos verdadeiros heróis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário